Papa Francisco, Falso Profeta?

É difícil encontrar quem não goste do Papa Francisco. Ele é bonachão, gente boa, humilde, amigo dos pobres, não gosta de riquezas e opulências, não implica com os homossexuais e nem com os abortistas. Dizem até que ele vai andar de fusca, e como se pode ver na foto acima, gosta de coisas simples. Maravilha, não é mesmo?

E se eu lhe disser que o Papa Francisco veio para destruir a igreja católica e blasfemar contra Cristo, você acreditaria? É verdade, e é como católico que eu lhe digo isso.

Francisco é o representante da maçonaria infiltrada na igreja, que finalmente conseguiu eleger o seu papa. É duro dizer, mas o demônio chegou ao papado. Ele é a besta do Apocalipse 13-11 ”que se veste como um cordeiro (símbolo de Cristo), mas fala como um dragão” (blasfema contra Deus).

Você lembra o que Paulo VI disse? “A fumaça de satanás de infiltrou na igreja”. E agora chegou ao seu vértice.

João Paulo I foi assassinado com apenas trinta dias de pontificado, lembra? Tentaram matar João Paulo II logo no início de seu pontificado com um tiro à queima roupa, lembra? E Bento XVI, coitado, foi tão perseguido que acabou tendo que renunciar, como se fosse um incompetente. Escândalos e mais escândalos estouraram em seu pontificado. Até seus documentos pessoais foram roubados, para poder chantageá-lo.

E agora com Francisco não existem mais escândalos sexuais nem financeiros. A mídia, controlada pela maçonaria o está endeusando, fazendo dele um ídolo, um líder inovador, um mito. Reis, rainhas e governantes têm vindo beijar o seu anel, em reverência a “sua santidade”. Que mudança brusca, não é mesmo?

Mas o que deseja Francisco? É simples: a luta entre Deus e o diabo continua. Como o diabo sabe que nada pode contra Deus, passar um tempinho sentado na cadeira de Pedro já está bom, pois de lá ele pode “abrir a boca em blasfêmias contra Deus, para blasfemar o seu nome, o seu tabernáculo e os habitantes do céu” (Apoc. 13-6).

Outra missão de Francisco é facilitar o surgimento do anticristo, pois ele trabalha segundo as ordens deste, pois está sob sua vigilância, como vemos em Apocalipse 13-12. Foi primeiro preciso “ferir o pastor” (Zacarias 13,7), ou seja tirar Bento XVI, para que as ovelhas fossem dispersas (os fies). A partir de agora haverá uma grande confusão e divisão dentro da igreja católica e no mundo todo, e no meio desta confusão surge o anticristo apoiado por Francisco, que aliás já declarou que o microchip (marca da besta) é benéfico para a humanidade, não existindo na Bíblia nada que impeça o seu uso (será que Francisco já leu o Apocalipse alguma vez?)

Outra missão suja de Francisco: promover o aborto e o homossexualismo no mundo. Estes dois pecados são abominações e dão poder à satanás. É por isso que tem dinheiro à vontade para promover parada gay no mundo todo e para praticar o aborto. No Brasil o próprio governo paga o médico para a mulher que queira abortar. Recentemente Francisco afirmou que os católicos são “obcecados” com o aborto e o homossexualismo. Sublimarmente ele disse: “esqueçam aborto e homossexualismo”. Aliás, quando esteve no Brasil Francisco não fez nada para evitar o aborto, cuja lei já estava pronta, e que agora foi assinada por Dilma.

Francisco está usando mensagens sublimares, para blasfemar contra a igreja, para ser mais claro, para avacalhar mesmo com ela.

Quando perguntado pela repórter o que achava do lobby gay dentro do vaticano, Francisco respondeu: “ser gay não tem problema”. E deu uma grande pausa. E depois continuou: “o problema é o lobby gay”.

A mensagem sublimarmente passada: o homossexualismo está liberado. Resultado: explosão do homossexualismo no mundo, tendo sido Francisco eleito o “homem do ano”, pela maior revista gay dos estados unidos. Eu já vi, na missa, vários casais gays se acariciando como se fosse a coisa mais normal do mundo. E ninguém pode falar nada, pois Francisco liberou, mesmo que sublimarmente.

Mas o pior de tudo é que Francisco está atentando contra o sacrifício de Cristo na Cruz. A blasfêmia maior de todas é a de negar o culto devido só a Deus para dá-lo às criaturas e ao próprio satanás.

Cristo derramou seu sangue na cruz para nos salvar. Foi para pagar o pecado de Adão e nos reconduzir ao Pai que Cristo se sacrificou por nós.

Agora, Francisco está anulando o sacrifício de Cristo. Recentemente ele disse: “não é preciso converter ninguém. Ajude o pobre e vá embora”.

Esta afirmação pode parecer bonita e caridosa, porém, ela elimina o sacrifício de Cristo.

Ajudar o pobre, o menor abandonado, o doente, a viúva desamparada e todos aqueles que precisam, é uma conseqüência do amor à Deus. Se amo à Deus, também amo ao meu próximo, e consequentemente o ajudo naquilo que ele precisa. Enquanto esteve na terra, Cristo ajudou intensamente os necessitados. Ajudar ao próximo é uma excelente atitude, que vai ajudar no nosso julgamento diante do Pai, pois “seremos julgados pelas nossas obras” (Rom 2-6).

Mas veja bem, o que salva não é a caridade. Jesus quando enviou os doze apóstolos disse: “Ide ao mundo e pregai o evangelho à toda criatura da terra. Aquele que crer e for batizado, será salvo, mas quem não crer será condenado” (Marcos 16-16).

Cuidado, você pode passar a vida toda fazendo caridade e ir para o inferno.

E é isso que o papa Francisco quer, lhe levar para o inferno. Ele quer tirar Cristo do centro e colocar os pobres, mas pobre não salva ninguém, quem salva é Cristo.

Outra armação pesada de Francisco: “todas as religiões levam a Deus”. Parece bonito não é mesmo? Assim sendo, você pode ir na macumba, que lá você irá encontrar a Deus também.

Mas pense nisto: só Cristo morreu na cruz, logo, o caminho para o céu, é somente através dele. Você já viu algum Buda crucificado? Maomé foi pra cruz? E Alan Kardec, passou por lá? Veja o que disse o próprio Jesus: Eu sou o caminho, a verdade e a vida;ninguém vem ao Pai senão por mim (João 14,6).

Repetindo o que disse Jesus:” Ninguém vem ao pai senão por mim”.

Cuidado: quando Francisco anunciar a criação da igreja ecumênica mundial, unindo todas as religiões, não caia na lábia dele. O que ele quer é lhe afastar de Cristo e levá-lo à Satanás.

Aqui novamente Francisco está querendo lhe levar para o inferno. Siga um caminho diferente ao de Cristo e você vai ver onde vai parar.

Aliás, recentemente Francisco disse que o inferno não existe mais. O que ele quer, é que você não creia mais na existência do inferno, para lhe mandar para lá.

“Roma perderá a fé, e converter-se-á na sede do anticristo". Sabe quem disse isto? Parece coisa de fanático, não é mesmo? Mas esta afirmação é de Maria, mãe de Jesus e nossa, em La salette, França em 1846, aparição reconhecida pela igreja. Veja a mensagem completa (http://www.rainhamaria.com.br/Pagina/366/Os-Segredos-de-La-Salette), você vai se surpreender.

Na verdade, a partir de La Salette, Maria antecipou o que iria acontecer no mundo. Em Fátima, Portugal, em 1917, Maria disse que o demônio se infiltraria até o vértice na igreja, além de ter previsto o fim da primeira guerra, a expansão do comunismo e o início da segunda guerra. Acredita-se que o fato do demônio ter chegado ao papado, faça parte do terceiro segredo de Fátima, que na verdade não foi divulgado.

Em Akita, Japão em 1973 Nossa Senhora disse: "O Diabo se infiltrará até mesmo na Igreja de tal um modo que haverá cardeais contra cardeais, e bispos contra bispos. Serão desprezados os padres que me veneram e terão opositores em todos os lugares. Haverá vandalismo nas Igrejas e altares. A Igreja estará cercada de asseclas do demônio que conduzirá muitos padres a lhe consagrar a alma e abandonar o serviço do Senhor".

Eu já vi dois padres, em uma emissora católica, em rede nacional, incentivar o casamento civil gay, e ainda citam as encíclicas do papa Francisco para justificar tal abominação. O que os padres não dizem, é que os afeminados vão para o inferno, pois “não vos enganeis: nem os impuros, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os devassos, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbados, nem os difamadores, nem os assaltantes hão de possuir o Reino de Deus” (1Cor 6, 9-10), e também Apoc 21.8: Os tíbios, os infiéis, os depravados, os homicidas, os impuros, os maléficos, os idólatras e todos os mentirosos terão como quinhão o tanque ardente de fogo e enxofre, a segunda morte. Se você ler as mensagens marianas como La Salette, Akita, Fátima, Lourdes e outras, vai se surpreender com o que Maria tem dito. O problema é que Deus e sua mãe foram esquecidos por esta geração.

Assim sendo, o aviso foi dado. Muita coisa ainda vai acontecer daqui para frente. Fique atento pois Cristo realmente está voltando para instalar seu definitivo reino de amor. Não fique de fora.

Movimento de Resistência Católica Viva Bento XVI

Obs: Leia as postagens anteriores clicando em "Postagens Mais Antigas", no final do Blog ou "LEIA ARTIGOS ANTERIORES" e escolha o mês, abaixo.

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Filósofo e amigo íntimo de João Paulo II: Papa Francisco deve revogar declarações “objetivamente heréticas” para evitar cisma.

“Mesmo que eu tenha que morrer por isto, acredito que é preciso falar mais alto porque não se pode permanecer em silêncio quando vemos as verdades importantes e também fundamentais para a salvação eterna dos fiéis sendo obscurecidas… no documento”


https://lifesite-cache.s3.amazonaws.com/images/made/images/remote/https_s3.amazonaws.com/lifesite/Seifert_810_500_55_s_c1.jpg

Claire Chretien – LifeSiteNews | Tradução Sensus fidei: 21 de setembro de 2016 — Josef Seifert, filósofo católico austríaco e amigo íntimo do falecido Papa João Paulo II, disse em uma entrevista que espera que o Papa Francisco revogue as declarações “objetivamente heréticas” em Amoris Laetitia para evitar “cisma”, “heresia”, e “a completa divisão na Igreja.”
Falando para Gloria.TV sobre uma carta que escreveu ao Papa Francisco e um ensaio no qual descreve algumas de suas preocupações com a exortação: Seifert explicou que há quatro conclusões que se pode tirar de Amoris Laetitia.
Estas quatro conclusões “são radicalmente diferentes e, portanto, creio que é necessário esclarecer qual é a verdadeira resposta”, afirmou.
A primeira conclusão é que permanece sacrilégio aqueles que, em estado de pecado mortal sem arrependimento, recebam a Sagrada Comunhão, embora a nota 351 abra a porta para isso.
Os defensores deste argumento “podem dizer que o texto não é um documento magisterial, como diz o Cardeal Burke, e que não dispõe da forma apropriada para mudar o Catecismo Católico [e] os 2.000 anos de tradição disciplinar sacramental com apenas alguns traços de caneta. … Então, nada mudou, basicamente, e o documento, talvez, tentou mudar algo, mas isso não muda nada.”
“A segunda [conclusão] é o oposto — é o contrário, absoluto e radical seguir adiante”, disse Seifert. “E isso significa que cada casal, todos os homossexuais, todas as lésbicas, adúlteros, todos os recasados, não casados — todos são bem vindos à mesa do Senhor.” Ele observou que esta é essencialmente a interpretação adotada pelos Bispos das Filipinas, que “fizeram um grande pronunciamento nesse sentido.”
“Esta interpretação não pode ser o que realmente o Papa quis dizer — não deve ser o que o Papa realmente quer dizer porque leva a inúmeros sacrilégios, todos os tipos de grandes pecadores [vindo] para o Sacramento da Comunhão”, disse Seifert. Permitir isso “abre-se a porta para transformar a Igreja, o templo de Deus, [em] uma espécie de templo de Satanás.”
Seifert apela ao Papa Francisco para “absolutamente e obrigatoriamente declarar que esta [interpretação] é uma compreensão completamente falsa do ensinamento da Igreja.”
Foro interno seria uma ‘catástrofe pastoral’
A terceira interpretação possível de Amoris Laetitia é a de que os casais podem “discernir” com a ajuda de um sacerdote se são realmente culpados das ações que continuamente cometem, e que a Igreja objetivamente denomina como pecaminosas.
“Como se aplicaria isso?”, Perguntou Seifert. “Se um padre disser para o adúltero,”você é um bom adúltero, está em estado de graça, você é [uma] pessoa muito piedosa, de maneira que lhe dou a minha absolvição sem que seja preciso você mudar a sua vida e, então, [pode] ir receber a Sagrada Comunhão… E depois vem outro, e ele diz, ‘Oh, você é um verdadeiro adúltero. Primeiramente, você deve se confessar, reestruturar a sua vida, mudar a sua vida, e então você poderá ir para a comunhão. “Quero dizer, como deve ser esse trabalho?”
Isto “parece completamente inapropriado” e poderia tornar-se uma “catástrofe pastoral”, adverte Seifert. Ele disse que isso também poderia confundir casais católicos divorciados recasados, alguns dos quais podem ser contados por seu sacerdote para seguir em frente e receber a Sagrada Comunhão e outros sendo contados pelo mesmo padre para viver em abstinência, a fim de receber a Sagrada Comunhão. Seifert nota que esta terceira conclusão contém “o problema da falácia lógica”, que parte do princípio de que se uma pessoa “não entende que o que ela faz é errado, que está inocente e em estado de graça, mas a cegueira para o erro de uma ação pode ser em si gravemente [pecaminosa].”
“Isto é uma falsa suposição que muitos casais que não encontraram nada de errado em voltar a casar e divorciar sejam todos pecadores inocentes em estado de graça, porque a sua cegueira [em relação ao fato de que estão cometendo adultério] em si [pode ser um pecado]”, disse Seifert.
Aparente ‘negação do inferno’ deve ser corrigida ‘para maior clareza’
De acordo com Seifert, a quarta interpretação possível de Amoris Laetitia está em as pessoas poderem dizer em sã consciência que seu primeiro casamento era inválido, mesmo se um tribunal eclesiástico tenha afirmado o contrário, e, portanto, podem se divorciar, “casar” novamente, e receber os sacramentos, mantendo uma relação sexual com sua segunda esposa.
“Isso não deve ser deixado para a consciência do indivíduo julgar se o seu casamento foi válido ou não, e também não relegado ao julgamento de um único sacerdote… a existência de um sacramento exige uma cuidadosa investigação e essa é [exatamente ] a tarefa dos tribunais da Igreja e, portanto, as pessoas simplesmente não podem… em consciência dizer, eu não era casado e agora eu me casei novamente”, explicou Seifert. Ele também disse que a ideia de que uma pessoa possa declarar, por si mesma, que o seu casamento era inválido foi condenada pelo Concílio de Trento e, portanto, não está em harmonia com o ensinamento da Igreja.
É “objetivamente herético” afirmar, como faz Amoris Laetitia, que alguém possa simplesmente ser incapaz de viver de acordo com as exigências do Evangelho, disse Seifert. Amoris Laetitia sugere que as pessoas podem “reconhecer que é a vontade de Deus viver em um relacionamento adúltero”, mas “que contradiz claramente alguns dogmas do Concílio Tridentino e contradiz claramente Veritatis Splendor e outros ensinamentos solenes da Igreja”, afirmou.
Seifert ressaltou que sua intenção não é acusar o Papa de herege, mas, simplesmente, apontar que ele fez declarações heréticas que devem ser corrigidas.
“Ele diz que ninguém está condenado para sempre… que o contexto pode ser interpretado de maneiras diferentes, mas é difícil interpretá-lo de qualquer outra forma senão através da negação do inferno”, observou. Cristo “nos adverte para o grande e real perigo da condenação eterna”, como muitos santos e a Virgem Maria nas aparições aprovadas pela Igreja têm nos advertido, “e, portanto, para o Papa convidar aos Sacramentos pessoas em estado de pecado grave e, ao mesmo tempo, dizer que ninguém será condenado para sempre, penso que há riscos disso ser entendido como uma negação da possibilidade de condenação”.
“Então eu disse ao Papa que ele deve, em primeiro lugar, esclarecer que nesta declaração não foi a sua intenção negar o inferno, o que seria contrário à Sagrada Escritura, e contrário a vários [dogmas]”, disse Seifert. Mesmo se o Papa Francisco não tenha pretendido que a instrução parecesse ser uma negação do inferno, “creio que muitas pessoas entendem isso dessa maneira e ele deve, portanto, claramente dizer qual é a verdade do Evangelho e não dar a impressão de negar o inferno” concluiu. Isso deve ser feito por “uma questão de clareza e para o cuidado pastoral.”
Seifert falará ‘mesmo que tenha que morrer por isso’
Papa Francisco apenas “cresceria em estima e respeito diante do mundo” se ele retratasse as declarações em Amoris Laetitia que aparentemente contradizem a doutrina católica, disse Seifert. Se ele “persiste nisso”, então há o “risco de cisma.”
“Para evitar o cisma, evitar a heresia e evitar a separação completa na Igreja, entendo que é necessário que o Papa … esclareça [estes] problemas” e revogue-os, adverte Seifert.
Seifert ressaltou que ele não é o único acadêmico católico a soar o alarme sobre Amoris Laetitia. Professor Robert Spaemann, um dos principais professores de filosofia alemão e amigo próximo do Papa Emérito Bento XVI, e Dr. Jude P. Dougherty, reitor emérito da Escola de Filosofia da Universidade Católica da América, ambos levantaram sérias preocupações com a exortação. O primeiro chamou de uma “ruptura” com a tradição católica e este último escreveu que a ambiguidade do Papa Francisco significa que “o que antes estava certo tornou-se problemático.”
“Mesmo que eu tenha que morrer por isto, acredito que é preciso falar mais alto porque não se pode permanecer em silêncio quando vemos as verdades importantes e também fundamentais para a salvação eterna dos fiéis sendo obscurecidas… no documento”, disse Seifert.
Publicado originalmente: LifeSiteNews – Top philosopher: Pope must revoke ‘objectively heretical’ statements to avoid schism
Fonte: http://www.sensusfidei.com.br/2016/09/22/filosofo-e-amigo-intimo-de-joao-paulo-ii-papa-deve-revogar-declaracoes-objetivamente-hereticas-para-evitar-cisma/#.V-QUKTUwDt8

terça-feira, 20 de setembro de 2016

ENTENDA PORQUE O PAPA FRANCISCO É O FALSO PROFETA DO APOCALIPSE

ESTADO ISLÂMICO EXTERMINA CRISTÃOS E IGREJAS NÃO FAZEM NADA, RECLAMA ATIVISTA

Resultado de imagem para Georgette Bennett

A doutora Georgette Bennett, fundadora da Aliança Multireligiosa dos Refugiados Sírios, está inconformada com o silêncio das igrejas em relação ao genocídio de cristãos levado a cabo pelo Estado Islâmico. Judia, ela disse que “nós [judeus] entendemos o que é extermínio. Acho que sabemos reconhecer um genocídio quando o vemos”.

“As coisas mudaram, os cristãos deixaram de ser apenas perseguidos, estão sendo exterminados”, denunciou.

Baseada nos Estados Unidos, a Aliança Multireligiosa reúne cerca de 70 grupos confessionais diferentes, incluindo católicos, evangélicos, judeus e até muçulmanos. Idealizada por Bennett, que é filha de sobreviventes do Holocausto, e Shadi Martini, um muçulmano refugiado de Aleppo, na Síria.

Eles são ativistas de direitos humanos que pretendem alertar o mundo sobre os perigos crescentes de não se responder adequadamente à crise de refugiados.

“Um dos maiores perigos é que os países que recebem refugiados é não resgatar as crianças que estão fora da escola há anos. Eles estão muito vulneráveis à manipulação e à radicalização”, afirmou.

Ela lamenta que as igrejas cristãs não parecem estar preocupadas com o que acontece no Oriente Médio. “As instituições religiosas têm vastos círculos de influência. Não há nada mais abrangente que o cristianismo… A Igreja tem um enorme poder de mobilizar e convocar pessoas. Se os líderes cristãos usassem esse poder, poderiam pôr fim à crise e ajudar os cristãos que estão morrendo”, sublinhou.

Martini lembra que nenhuma sociedade ou comunidade está imune à violência. Afirma que, como muçulmano sírio, ele não quer ver os cristãos desaparecerem do seu país.

“O Estado Islâmico é um grupo criminoso que está cometendo uma série de atrocidades. Eles cometem crimes terríveis contra todos. Muitas pessoas têm sido mortas. É algo terrível”, desabafou.
     ECUMENISMO SATÂNICO DO PAPA FRANCISCO



http://chiesa.espresso.repubblica.it/articolo/1351375?eng=y
ROMA, 18 de setembro de 2016 - O memorável encontro em Assis, há trinta anos, entre João Paulo II e homens de todas as religiões foi talvez o único momento de desacordo entre o papa polonês santo e seu chefe absolutamente confiável da doutrina na o tempo, o cardeal Joseph Ratzinger, que nem sequer ir.
O próprio Ratzinger lembra isso em seu livro-entrevista publicada nos últimos dias: "Ele sabia", diz ele, "que eu estava seguindo uma abordagem diferente."
Mas agora que o Papa Francis, o sucessor de ambos, está se preparando para replicar esse evento em Assis em 20 de setembro, o contraste é re-emergentes ainda mais forte do que antes.
Um diálogo entre as religiões em pé de igualdade - Ratzinger de fato, advertiu, mesmo depois de sua renúncia do papado - seria "letal para a fé cristã." Porque cada religião "seria reduzida a um símbolo intercambiável" de um Deus que seria igual para todos:  "A renúncia da verdade é letal para a fé"
Naturalmente Jorge Mario Bergoglio não se identifica com este tipo de diálogo igualitário, nem nunca pensou que a Igreja Católica deve desistir de pregar o Evangelho a toda criatura.
Mas algumas de suas ações e palavras têm efetivamente reforçado tais tendências, começando com a sua definição de proselitismo, como sendo "loucura solene", sem nunca dizer como isso deve ser distinguido da missão genuína. Não há poucos missionários nas fronteiras, tendo passado a pregação da vida e o batismo, que agora se sentem traídos, em nome de um diálogo que faz quase qualquer conversão inútil.
Também com os outros cristãos, protestantes e ortodoxos, Francis se move a um ritmo diferente em comparação com seus antecessores. Enquanto, por exemplo, Bento XVI encorajou e facilitou o retorno à Igreja Católica de anglicanos em desacordo com o pivô "liberal" da sua Igreja, Francis não concorda, ele prefere que eles se mantenham na sua própria casa, como revelado por dois bispos anglicanos que estão seus amigos, Gregory Venables e Tony Palmer, a quem ele desencorajados de se tornar católica: Ecumenismo atrás de portas fechadas.
Mas foi, acima de tudo um breve vídeo a partir de janeiro deste ano, lançado em grande escala em dez línguas, que mais tem dado a ideia de uma rendição ao sincretismo, para a equiparação de todas as religiões: "Somos todos filhos de Deus"
Nela, Francis pede oração em conjunto com os homens de todas as religiões, em nome da paz. E junto com um padre, de fato, aparece um budista, um judeu, um muçulmano, com os seus respectivos símbolos, todos em igualdade de condições. O papa diz: "Muitos buscam a Deus e encontrar Deus de diferentes maneiras. Neste amplo espectro de religiões só há uma certeza para nós: somos todos filhos de Deus ".
São palavras bonitas, mas, com efeito, não em consonância com os do Novo Testamento e, em particular, do Evangelho de João, segundo a qual todos os homens são criaturas de Deus, mas os únicos que se tornam seus "filhos" são aqueles que creem em Jesus Cristo.
Em Assis, em 20 de Setembro, Francis voltará a se encontrar ao lado de budistas, judeus, muçulmanos, e outros ainda. E é provável que o seu discurso seja mais avisado do que no vídeo.
Mas há um impacto das imagens que serão difíceis de conter e racionalizar. É o que foi exaltado por muitos desde 1986 como o "espírito de Assis", uma fórmula que Ratzinger sempre procurou, em vão, acalmar, como cardeal e papa, para que ele iria ser tomadas de forma oposta à forma como muitos o entendem, o que não significa, no sentido "sincrético" e "relativista": O "espírito de Assis" que Bento XVI não confia
Assim, ao longo Assis se haverá novamente de tecer, em todo o seu drama, a tempestade perfeita que abalou a Igreja Católica, no verão de 2000, quando a “Congregação para a Doutrina da Fé”, liderada por Ratzinger, publicou a declaração altamente contestada "Dominus Iesus" precisamente para condenar a ideia de que todas as religiões estão no mesmo nível e reiterar de uma vez que só há um caminho de salvação para todos os homens, e é Jesus:
Dominus Iesus - Em dois milênios, nunca a Igreja sentiu tanto a necessidade de recordar esta verdade fundamental da fé cristã.
"O fato de que necessitam para emitir um lembrete disso em nosso tempo nos diz a extensão da gravidade da situação atual", advertiu um cardeal chamado Giacomo Biffi à beira do conclave de 2005, a uma em que Ratzinger foi eleito Papa : "O que eu disse ao Papa Futuro".
++++++++++++
OBS > Desde o início dos meus textos e comentários – e lá se vão décadas de lutas – tenho me manifestado contrário ao que se chama “falso ecumenismo”, que pugna pela união de todas as religiões, crenças e seitas em um único pacote igualitário, como se todos os deuses destes credos fossem na essência o mesmo Deus Católico, este Deus no qual Francis nem acredita – e devido a isso como ele chegou a se papa? – pois declarou isso em público – e então fazem parte do mesmo renque de Francis, Buda Gautama, Maomé, e Brahma, Alá, Vixnu, Xiva, Isis, Osiris, Baco, Jupiter, Venus, Astarte, Moloc, Sapo, Macaco, Elefante, Vaca, Rato, Odim, Tupã, e como deixar de fora também Belzebú, Lucifer e Baphomet, que também são “deuses” de certas denominações. Ele e sua trupe alegam que, tendo seus deuses “no coração”, também estas religiões salvam, porque afinal Jesus está no mesmo charco religioso, "deus" é o mesmo.
Quando João Paulo II caiu na armadilha de participar daquele malsinado primeiro encontro ecumênico de Assis, o então Cardeal Ratzinger o alertou para o risco, mas o Papa achou que estando lá poderia corrigir os rumos das pretensões dos hereges e cismáticos, quando na verdade foi envolvido por eles. Depois, enquanto já Papa, Bento XVI publicou a sua genial Declaração Dominus Iesus, onde reafirmou, com todas as letras, que a salvação das almas para unicamente pela Igreja Católica Apostólica Romana, pois sem ela e seus sete Sacramentos não há salvação. E esta é a verdade, que não poderá jamais ser mudada, sem cometer um procedimento herético e diabólico.
 Este “espírito de Assis” é na verdade um espírito do mal, é uma obra do anticristo e seus sequazes, que visa preparar para a grande fera uma “religião universal”, da qual ele pretenderá ser o único deus, inconteste, e sujeito a morte todo aquele que discordar disso. O tirano absoluto tem então neste encontro uma de suas metas, e jamais um Papa maiúsculo poderá participar dele, sob a pena de alta traição diante de Deus, porque equiparar Jesus com Belial é mais do que blasfêmia, é mais do que pecado contra o Espírito Santo: trata-se de uma cusparada na Santíssima face do Altíssimo, algo que jamais ficará sem ser alvo da fulminante ira divina, e tão logo isso se concretize.
Penso, então, que foi de propósito que Nossa Senhora nos pediu para o próximo dia 20 o início da nova Anistia onde rezaremos pelos muçulmanos, por ser a mesma data marcada para o tal “encontro satânico”. Isso porque o “espírito” que lá irá imperar não é o da união de todos os credos em torno da única Verdade, do Único Deus, e da Única Igreja Verdadeiro, com toda sua doutrina bimilenar, seu Catecismo, sua Bíblia, Sua Tradição, seus sagrados documentos pontifícios, seus ritos, sua Santa Missa, seus sete Sacramentos, e isso tudo sem abdicar de nenhum dos seus direitos de origem divina, sem mudar uma letra em nada do que ela sempre pregou, sem ceder um milímetro na Verdade Absoluta – na qual Francis também não acredita – porque seria cuspir em Jesus Cristo.
De fato, a Santa Igreja está correndo um grave risco, que fica ainda aumentado porque, nos avisam as mais recentes profecias, que está muito próximo o anúncio de mudanças drásticas na Santa Missa, adulterando-a de tal forma, que deixará de ser Sacrifício para se tornar na “abominação desoladora” de que falou Daniel e Jesus confirmou. Tudo isso para se ajustar aos demais credos, que não aceitam a Eucaristia como presença viva e Real de Jesus na Hóstia Consagrada, e querem esta cerimônia como uma simples ceia fraterna, ao modo dos protestantes. Dá-se então como certo – quando é totalmente mentiroso – que então os protestantes todos passarão ao catolicismo. Na verdade este ecumenismo é falso, também da parte dos protestantes, porque a imensa maioria deles jamais irá aceitar a Igreja Católica, e nem aceitará esta falsa igreja ecumênica. Em todos os lados trabalham servos da besta maligna.
Muitos  autores têm se levantado a alertado para a realidade, tenebrosa realidade, o fato de que aos poucos as lideranças do Vaticano estão imprimindo na face da Igreja uma nova denominação totalmente falseada e longe da verdade, muito ao gosto de satanás e do anticristo. Tudo está se cumprindo rapidamente.
Rezemos então com muito amor as orações que nos são pedidas, cumprindo o máximo que nos for possível. Assim se não convertermos os outros credos, com certeza nossas orações podem minimizar em muito as ações dos inimigos da Santa Igreja. Façamos nossa parte, e Deus fará tudo por nós! E Sua Igreja vencerá! Esta ecumênica o diabo levará para o inferno, como sua cria abortiva! (Aarão)

O ensinamento do Vaticano II não é mais o Evangelho de Deus ao homem mas a mensagem do homem ao homem (Paulo VI)


19.09.2016 - Hora desta Atualização - 19h30
O ensinamento do Vaticano II não é mais o Evangelho de Deus ao homem mas a mensagem do “homem ao homem” (assim disse Paulo VI, discurso em Belém, aos 6 de janeiro de 1964)
n/d
Theophilus – Si Si No No, 30 de junho de 2016 | Santa Maria das Vitórias: A espiritualidade do Vaticano II é uma desviação da espiritualidade cristã. Com efeito,  é completamente orientada para o homem e não, como a espiritualidade tradicional, para Deus.
A espiritualidade do Vaticano II é um “pentecostes” pelo avesso: enquanto no primeiro pentecostes o céu e o Espírito Santo se derramaram sobre a terra e sobre os apóstolos, durante o Vaticano II o céu retirou-se da terra, abandonou-a, porque o homem moderno e o clérigo modernista já tinham abandonado o Deus transcendente pelo homem “onipotente”. De fato, “Deus não abandona se primeiro não é abandonado” (Santo Agostinho, citado pelo Concílio de Trento).
Assistimos no pós-concílio a uma desviação ou desmoronamento do cristianismo, que de teocêntrico passa a ser antropocêntrico. O fim último do neo-cristianismo conciliar é a paz entre as nações, a união entre as religiões, o diálogo entre os homens, o bem-estar, a harmonia ecológica, não mais a paz entre o homem e Deus, o culto de Deus, a pregação do Evangelho a todas as nações.
As promessas do Vaticano II revelaram-se falsas e ilusórias, como as que faz Satã ou o mundo. Realmente, a partir de 1962: 1) no mundo reina a guerra; 2) o homem é explorado, não há trabalho nem aposentadoria, perdeu todo ideal, é transviado, desorientado e desesperado; 3) o Evangelho é ignorado e desprezado, os pastores envergonham-se dele ou o camuflam filantropicamente.
Hoje os pastores não sabem e não querem falar em nome de Deus, negligentes quanto às opiniões e aos falsos dogmas da modernidade. E não só isso: hoje, quem ensina a verdade corre o risco do martírio midiático, do linchamento cultural e clerical.
Quando os cristãos se deixam atrair pela moda do mundo e se curvam ante ela e as fábulas (“ad fabulas autem convertentur” 2ª Tim. 4,4) para não serem perseguidos, abandonaram a via régia da Santa Cruz, que é a única a conduzir ao céu. Entretanto, também a maior parte dos tradicionalistas o fez. Nossa época é, verdadeiramente, uma época apocalíptica e anticristã, mas há quem queira iludir-nos dizendo que tudo vai bem e que os compromissos fortalecem a Igreja…. o ambiente eclesial  não compreende mais qual seja a estrada a percorrer para ir ao céu: a larga ou a estreita. E contudo, Nosso Senhor no-lo ensinou (Mt. 26, 14) e deu-nos o exemplo.
Paulo VI proclamou ao 7 de dezembro de 1965 (Discurso de encerramento do Concílio Vaticano II): “A Igreja do Concílio ocupou-se suficientemente do homem como se apresenta em nossa época. O homem todo ocupado de si mesmo, que se faz o centro de tudo e ousa ser o princípio e o fim último de todas as realidades”. Não obstante, todo o discurso é um hino e este homem que desejaria ocupar o lugar de Deus, assinala o primado da antropologia sobre a teologia, é blasfemo e luciferino. O Vaticano II não é explicável sem o influxo nele da ação preternatural de Satã e dos seus acólitos (judaísmo talmúdico, maçonaria, marxismo, freudismo, panteísmo..). Como pensar poder conciliar Deus e Lúcifer? É impossível.
Parece que à terceira tentação de Satã dirigida a Cristo: “Dar-te-ei todo o mundo se prostrado por terra me adorares” (Lc. 4, 6), o Vaticano II não respondeu como Cristo “Aparta-te, Satanás. Está escrito: Adorarás somente a Deus” (Lc. 4, 8), mas “Eis me a teus pés e aos pés do homem que despreza a Deus para ser admirado e acolhido por ti”.
O ensinamento do Vaticano II não é mais o Evangelho de Deus ao homem mas a mensagem do “homem ao homem” (assim disse Paulo VI, discurso em Belém, aos 6 de janeiro de 1964).
Mas que coisa é o homem? Para São Bernardo de Claraval o homem reduzido a sua dimensão terrena “é um sêmen fedorento, é um saco de esterco e será alimento dos vermes”, ao passo que para Paulo VI é tudo, é a nova divindade do mundo moderno que – com Cartésio, Kant e Hegel – põe o  Eu no lugar de Deus. Disse, outrossim, Paulo VI: “Honra ao homem, honra à ciência (…) honra ao homem rei da terra e hoje príncipe do céu” (Discurso por ocasião do Angelus de 7 de fevereiro de 1971). O Evangelho, ao contrário, nos diz que o “Príncipe (não do céu mas) deste mundo é Satanás” ( Jo. 12. 31; 14, 30; 31, 11).
Este é o resultado ruinoso do diálogo do Vaticano II com o mundo moderno, como o resultado do diálogo de Eva e Adão com a serpente infernal foi o pecado original. O velho axioma sobre o qual se baseia toda a espiritualidade cristã (patrística, escolástica e neo-escolástica) “Não se discute com Satã” está fora de moda: cumpre, ao contrário “aggiornarsi” e converter-se ao mundo que “está entregue ao poder do Maligno” (1 Jo. 5, 19); esquecendo-se de que “Amar o mundo significa odiar a Deus” (Tg. 4, 4).
Para o cristianismo a última esperança não morre jamais porque se funda em Deus onipotente e próvido, enquanto para Paulo VI “os povos olham para as Nações Unidas como para a última esperança de concórdia e paz” (Discurso por ocasião do Angelus de 7 de fevereiro de 1971) e por isso que em todo o mundo reina a discórdia e a guerra que ameaça tornar-se atômica e mundial (cf. Síria 2016). O Pe. Dossetti, que participou do Vaticano II como teólogo do cardeal Giacomo Lercaro, disse: “Se fracassa o Evangelho, temos a Constituição!” (Ritorno a Monte Sole. Attualitá e autenticitá di don Giuseppe Dossetti, in Conquiste del lavoro, 27 de outubro de 2012, a cura de F. Lauria). Assim, a esperança de teologal e sobrenaturalmente cristã torna-se naturalmente e materialmente demo-cristã.
Por que Deus se incarnou? Não para estabelecer a paz entre as nações, que é uma utopia. Não para eliminar a pobreza e a doença do mundo, outra utopia. Não para dar a saúde, o bem-estar, ao homem neste mundo, mas no céu.
A crise do ambiente eclesial hoje é gravíssima, mas Jesus vencerá também esta como venceu sempre. Nós devemos fazer nossa pequena parte: oração e penitência. Sensus Fidei
AS MENSAGENS DE LA SALETTE, E A SITUAÇÃO DO MUNDO HOJE

Não creio que estejamos nos tempos finais do Anticristo. Mas eu acredito que estamos no tempo de preparação para o governo do Anticristo. E isso é uma boa notícia. Por quê? Porque depois do governo do Anticristo, Nosso Rei Jesus Cristo retornará para governar para todo o sempre. Todo o mal acabará. Não haverá mais falsa religião, não haverá mais crime, divisão, drogas, engano, divórcio, violência, roubo, ódio, desvio sexual, pornografia, ateísmo, comunismo, illuminati, maçom, pobreza, abuso e rebelião sexual nem atos sacrílegos contra Deus. Tudo terá terminado, para sempre.
Em 19 de setembro de 1846 a Virgem Maria apareceu em La Salette, França, para Maximino Giraud (11 anos) e Melanie Mathieu (15 anos). Maria especialmente veio advertir a humanidade por; 1) abuso do Santo Nome de Jesus e outras blasfêmias e por trabalhar no domingo. Mas ela também descreveu claramente o fim dos tempos, como está escrito no Livro do Apocalipse. E Maria fala sobre a corrupção da Igreja também.
n/d
Maria apareceu revestida com uma luz brilhante, um xale de rosas multicoloridas e um grande crucifixo no peito. Ela derramava muitas lágrimas. Aqui está parte de sua mensagem.
“Ao primeiro golpe de sua espada fulgurante [refere-se a Deus], as montanhas e a natureza inteira tremerão de espanto, porque as desordens e os crimes dos homens transpassarão a abóbada celeste. Paris será queimada, e Marselha engolida [pelas águas]. Várias grandes cidades serão abaladas e tragadas por tremores de terra. Crer-se-á que tudo está perdido. Só se verão homicídios, e se ouvirão apenas ruídos de armas e blasfêmias. “Os justos sofrerão muito. Suas orações, sua penitência e suas lágrimas subirão até o céu e todo o povo de Deus pedirá perdão e misericórdia. E pedirá minha ajuda e intercessão. Jesus Cristo, por um ato de sua justiça e de sua grande misericórdia em relação aos justos, ordenará a seus anjos que deem morte a todos os seus inimigos. De repente os perseguidores da Igreja de Jesus Cristo e todos os homens entregues ao pecado perecerão, e a Terra tornar-se-á como um deserto.
Então será feita a paz, a reconciliação de Deus com os homens. Jesus Cristo será servido, adorado e glorificado. A caridade florescerá por toda parte. Os novos reis serão o braço direito da Santa Igreja, a qual será forte, humilde, piedosa, pobre, zelosa e imitadora das virtudes de Jesus Cristo. O Evangelho será pregado por toda parte e os homens farão grandes progressos na fé, porque haverá unidade entre os operários de Jesus Cristo e os homens viverão no temor de Deus.
“Esta paz entre os homens não será longa. Vinte e cinco anos de safras abundantes lhes farão esquecer que os pecados dos homens são a causa de todas as desgraças que sucedem na terra.
“Um precursor do Anticristo, com tropas de várias nações, guerreará contra o verdadeiro Cristo, único Salvador do mundo, derramará muito sangue e tentará aniquilar o culto de Deus, para se fazer cultuar como um deus.
“A Terra será atingida por toda espécie de flagelos (além da peste e da fome, que serão gerais). Haverá guerras até a última guerra, que será movida pelos dez reis do Anticristo, cujo objetivo será o mesmo e serão os únicos a governarem o mundo. Antes que isto aconteça, haverá uma espécie de falsa paz no mundo. Não se pensará em outra coisa, senão em se divertir. Os maus se entregarão a toda sorte de pecados. 
n/d
Mas os filhos da Santa Igreja, os filhos da fé, meus verdadeiros imitadores, acreditarão no amor de Deus e nas virtudes que me são mais caras. Felizes essas almas humildes conduzidas pelo Espírito Santo! Eu combaterei junto a elas até que atinjam a plenitude da idade”.
n/d
“A natureza exige vingança por causa dos homens e estremece de pavor, na espera do que deve acontecer à Terra emporcalhada de crimes.
“Tremei, ó Terra, vós que fizestes profissão de servir a Jesus Cristo, mas que no vosso íntimo adorais a vós próprios. Tremei, pois Deus vos entregará a seu inimigo, porque os lugares santos estão imersos na corrupção. Muitos conventos não são mais casas de Deus, mas pastagens de Asmodeu e os seus [demônios].
“Durante esse tempo nascerá o Anticristo de uma religiosa hebraica, uma falsa virgem que terá comunicação com a velha serpente. E o mestre da impureza, seu pai, será bispo”.
“Ao nascer, vomitará blasfêmias e terá dentes. Numa palavra, será o diabo encarnado. Dará gritos aterrorizadores, fará prodígios,alimentar-se-á só de impurezas. Terá irmãos que, embora não sejam como ele outros demônios encarnados, serão filhos do mal. Aos doze anos eles se farão notar pelas valorosas vitórias que obterão. Logo estará cada um à testa de exércitos, assistidos por legiões do inferno.
“As estações mudarão, a terra só dará maus frutos, os astros perderão seus movimentos regulares, a Lua não projetará senão uma débil luz avermelhada. A água e o fogo darão ao globo terrestre movimentos convulsivos e horríveis tremores de terra, que engolirão montanhas, cidades...
n/d
“Roma perderá a fé e se tornará sede do Anticristo. Os demônios do ar, junto com o Anticristo, farão grandes prodígios na terra e nos ares. E os homens se perverterão cada vez mais. Deus tomará sob seus cuidados os fiéis servidores e os homens de boa vontade, o Evangelho será pregado por toda parte, todos os povos e todas as nações terão conhecimento da verdade.
“Eu dirijo um premente apelo à Terra. Apelo aos verdadeiros discípulos do Deus vivo que reina nos Céus. Apelo aos verdadeiros imitadores de Jesus Cristo feito homem, o único e verdadeiro Salvador dos homens. Apelo aos meus filhos, meus verdadeiros devotos, aqueles que se deram a mim para que eu os conduza a meu divino Filho, aqueles que levo por assim dizer nos meus braços, que vivem de meu espírito.
n/d
Enfim, apelo aos Apóstolos dos Últimos Tempos, aos fiéis discípulos de Jesus Cristo que viveram no desprezo do mundo e de si próprios, na pobreza e na humildade, no desprezo e no silêncio, na oração e na mortificação, na castidade e na união com Deus, no sofrimento e desconhecidos do mundo. É chegado o tempo para que eles saiam e venham iluminar a Terra. Ide e mostrai-vos como meus filhos amados. Estou convosco e em vós, contanto que vossa fé seja a luz que vos ilumina nestes dias de desgraças. Que vosso zelo vos faça como que famintos da glória e honra de Jesus Cristo. Combatei, filhos da luz, pequeno número que isto vedes, pois aí está o tempo dos tempos, o fim dos fins.
“A Igreja será eclipsada, o mundo estará na consternação. Mas eis Enoc e Elias cheios do Espírito de Deus. Eles pregarão com a força de Deus, os homens de boa vontade acreditarão em Deus e muitas almas serão consoladas. Eles farão grandes progressos, pela virtude do Espírito Santo, e condenarão os erros diabólicos do Anticristo.
Ai dos habitantes da Terra! Haverá guerras sangrentas e fome, peste e doenças contagiosas, trovoadas que abalarão as cidades, terremotos que engolirão países. Ouvir-se-ão vozes pelos ares. Os homens baterão as cabeças contra as paredes. Pedirão a morte, e por outro lado a morte será seu suplício. O sangue correrá de todo lado. Quem poderá resistir, se Deus não diminuir o tempo da prova? Deus se deixará dobrar pelo sangue, lágrimas e orações dos justos. Enoc e Elias serão mortos. Roma pagã desaparecerá. O fogo do céu cairá e consumirá três cidades.
n/d
Todo o universo será tomado de terror, e muitos se deixarão seduzir, porque não adoraram o verdadeiro Cristo vivo entre eles. Chegou a hora, o sol se obscurece, só a fé viverá.
“Chegou o tempo, o abismo se abre. Eis o rei dos reis das trevas, eis a Besta com seus súditos, dizendo ser o salvador do mundo. Ele se elevará orgulhosamente nos ares para ir até o céu. Será asfixiado pelo sopro de São Miguel Arcanjo. Cairá. E a Terra, que durante três dias terá estado em contínuas evoluções, abrirá seu seio cheio de fogo. Ele será submerso para sempre, com todos os seus, nos despenhadeiros eternos do inferno. Então a água e o fogo purificarão a Terra e consumirão todas as obras do orgulho dos homens, e tudo será renovado. Deus será servido e glorificado”.
Missa em Latim, Apocalipse e Nossa Senhora de La Salette
n/d
Quero continuar um pouco mais sobre a aparição de Maria em La Salette, França, para Mélanie Calvat e Maximin Giraud, em 19 de setembro de 1846. Maria apareceu chorando, refulgindo grande luz e com um grande crucifixo no peito, (que emitia luz também).
Depois da aparição, uma fonte de água surgiu próxima ao local onde Maria aparecera. Muitos milagres começaram a acontecer quando as pessoas bebiam daquela água ou colocavam-na sobre os enfermos. Muitos milagres também começaram a ocorrer quando as pessoas rezavam suplicando a intercessão de Maria. Em razão de todos esses milagres, o Papa Pio IX aprovou a devoção a Nossa Senhora de La Salette.
Um seminarista francês, M. Martin não conseguia se inclinar sobre a perna esquerda sem ser acometido por dor excruciante. Isso tornava-lhe difícil conseguir o que se esperava dele e, por esta razão, o bispo não iria lhe conferir ordens menores até que estivesse completamente curado. Ele começou uma Novena a Nossa Senhora de La Salette. Em seguida, seu diretor espiritual lhe deu um copo de água proveniente da fonte milagrosa às 6 da tarde. Por volta de 19:00, ele estava completamente curado, andando, subindo e descendo escadas e correndo por toda parte. Este milagre causou uma enorme impressão em todo o seminário.
Em seguida, as calamidades que Maria havia predito em La Salette começaram a acontecer. Em 1846, sobreveio a fome da batata. 1.000.000 de pessoas morreram de fome na Europa a partir da escassez de trigo e milho. Uvas francesas foram afetadas por uma doença.
Quando todas essas coisas começaram a acontecer, as pessoas começaram a retornar à Santa Missa e a fechar os seus negócios no Dia do Senhor. Até certo ponto, também as blasfêmias começaram a diminuir.
Maria perguntou às crianças se faziam bem as suas orações e elas responderam: “Não muito bem, Minha Senhora.” Esta pergunta deve ser feita a cada um de nós. É difícil rezar e, ainda mais difícil, rezar bem. Nossa Senhora quer que façamos nossas orações com o coração, fé e lentamente.
Nossa Senhora disse a Melanie:
n/d
“O que vou dizer-vos agora não ficará sempre segredo, podereis publicá-lo em 1858. Os sacerdotes, ministros de meu Filho, pela sua má vida, sua irreverência e impiedade na celebração dos santos mistérios, pelo amor do dinheiro, das honrarias e dos prazeres, tornaram-se cloacas de impureza. Sim, os sacerdotes atraem a vingança e a vingança paira sobre suas cabeças. Ai dos sacerdotes e das pessoas consagradas a Deus, que pela sua infidelidade e má vida crucificam de novo meu Filho! Os pecados das pessoas consagradas a Deus bradam ao Céu e clamam por vingança. E eis que a vingança está às suas portas, pois não se encontra mais uma pessoa a implorar misericórdia e perdão para o povo. Não há mais almas generosas, não há mais ninguém digno de oferecer a vítima imaculada ao [Pai] Eterno em favor do mundo”.
Neste sentido, podemos ver a importância do foco da Missa em Latim, na reverência quando oferecemos os Sagrados Mistérios. A Missa em Latim também enfatiza o oferecimento de Jesus ao Pai para a salvação das almas e do mundo.
“Deus vai golpear de modo inaudito. Ai dos habitantes da Terra. Deus vai esgotar sua cólera, e ninguém poderá fugir a tantos males acumulados. Os chefes, os condutores do povo de Deus negligenciaram a oração e a penitência. E o demônio obscureceu suas inteligências. Transformaram-se nessas estrelas errantes, que o velho diabo arrastará com sua cauda para fazê-las perecer. Deus permitirá à velha serpente introduzir divisões entre os que reinam, em todas as sociedades e em todas as famílias. Sofrer-se-ão tormentos físicos e morais. Deus abandonará os homens a si mesmos e enviará castigos que se sucederão durante mais de trinta e cinco anos.
“A sociedade está na iminência dos flagelos mais terríveis e dos maiores acontecimentos. Deve-se esperar ser governado por uma chibata de ferro e beber o cálice da cólera de Deus”.
“No ano de 1864, Lúcifer e um grande número de demônios serão soltos do inferno. Eles abolirão a fé pouco a pouco, até nas pessoas consagradas a Deus. Eles as cegarão de tal maneira que, salvo uma graça particular, adquirirão o espírito desses maus anjos. Várias casas religiosas perderão inteiramente a fé e perderão muitas almas.
“Os maus livros abundarão sobre a Terra, e os espíritos das trevas espalharão por toda parte um relaxamento universal em tudo o que se refere ao serviço de Deus. Eles terão grandíssimo poder sobre a natureza. Existirão igrejas para cultuar esses espíritos. Pessoas serão transportadas de um lugar a outro por esses espíritos maus, até sacerdotes, porque não se terão conduzido pelo bom espírito do Evangelho, que é um espírito de humildade, caridade e zelo pela glória de Deus.
“Os governantes civis terão todos um mesmo objetivo, que consistirá em abolir e fazer desaparecer todo princípio religioso para dar lugar ao materialismo, ao ateísmo, ao espiritismo e a toda espécie de vícios.
“Nos conventos as flores da Igreja serão apodrecidas, e o demônio tornar-se-á como que o rei dos corações. Que os dirigentes das comunidades religiosas estejam atentos em relação às pessoas que devem receber, porque o demônio usará toda sua malícia para introduzir nas ordens religiosas pessoas entregues ao pecado, pois as desordens e o amor aos prazeres carnais estarão espalhados por toda a Terra.
“Os justos sofrerão muito. Suas orações, sua penitência e suas lágrimas subirão até o céu e todo o povo de Deus pedirá perdão e misericórdia. E pedirá minha ajuda e intercessão. Jesus Cristo, por um ato de sua justiça e de sua grande misericórdia em relação aos justos, ordenará a seus anjos que deem morte a todos os seus inimigos.
“De repente os perseguidores da Igreja de Jesus Cristo e todos os homens entregues ao pecado perecerão, e a Terra tornar-se-á como um deserto. Então será feita a paz, a reconciliação de Deus com os homens. Jesus Cristo será servido, adorado e glorificado. A caridade florescerá por toda parte. Os novos reis serão o braço direito da Santa Igreja, a qual será forte, humilde, piedosa, pobre, zelosa e imitadora das virtudes de Jesus Cristo. O Evangelho será pregado por toda parte e os homens farão grandes progressos na fé, porque haverá unidade entre os operários de Jesus Cristo e os homens viverão no temor de Deus.
“Esta paz entre os homens não será longa. Vinte e cinco anos de safras abundantes lhes farão esquecer que os pecados dos homens são a causa de todas as desgraças que sucedem na terra.
Eu dirijo um premente apelo à Terra. Apelo aos verdadeiros discípulos do Deus vivo que reina nos Céus. Apelo aos verdadeiros imitadores de Jesus Cristo feito homem, o único e verdadeiro Salvador dos homens. Apelo aos meus filhos, meus verdadeiros devotos, aqueles que se deram a mim para que eu os conduza a meu divino Filho, aqueles que levo por assim dizer nos meus braços, que vivem de meu espírito. Enfim, apelo aos Apóstolos dos Últimos Tempos, aos fiéis discípulos de Jesus Cristo que viveram no desprezo do mundo e de si próprios, na pobreza e na humildade, no desprezo e no silêncio, na oração e na mortificação, na castidade e na união com Deus, no sofrimento e desconhecidos do mundo. É chegado o tempo para que eles saiam e venham iluminar a Terra. Ide e mostrai-vos como meus filhos amados. Estou convosco e em vós, contanto que vossa fé seja a luz que vos ilumina nestes dias de desgraças. Que vosso zelo vos faça como que famintos da glória e honra de Jesus Cristo. Combatei, filhos da luz, pequeno número que isto vedes, pois aí está o tempo dos tempos, o fim dos fins.
Sentimo-nos felizes por Deus permitir que Nossa Mãe Maria venha nos encorajar para estes últimos tempos. Mas cada um de nós precisa se ocupar em cooperar com Deus e Maria na salvação das ALMAS. Somos tão abençoados por sermos católicos tradicionais. Amamos tanto a Deus e Maria e por isso nos esforçamos ao máximo em obedecê-los.
Publicado originalmente: Traditional Catholic Priest – Antichrist As Foretold By The Virgin Mary At La Salette France ; Latin Mass, Apocalypse And Our Lady Of La Salette
Tradução das citações da Mensagem no presente artigo tomadas de “La Salette do livro La Salette e suas Profecias”, Luis Dufaur, traduzidas do livro de Michel Corteville – René Laurentin, “Découverte du Secret de La Salette — Au-delà des polémiques, la vérité sur l’apparition et ses voyants”, Fayard, Paris, 2002.

sábado, 17 de setembro de 2016



A REVISTA NEWSWEEK PERGUNTA: O PAPA FRANCISCO É CATÓLICO? O QUE VOCÊ ACHA?





https://aleteiaportuguese.files.wordpress.com/2015/09/newsweek-o-papa-c3a9-catc3b3lico.png?w=800


Se anuncia um Outono quente para Bergoglio. Antes de tudo, pela série de derrotas políticas que continua a recolher, este que é o mais político dos papas modernos: o colapso de Angela Merkel na Alemanha é devido à sua política de imigração que obsessivamente foi patrocinada por Bergoglio.
Também na Europa está crescendo a opinião pública que se opõe à "invasão" descontrolada pregada pelo Papa Argentino (como evidenciado pela Brexit, o Muro de Calais, as eleições na Áustria e também na Croácia, onde acaba de ganhar o Partido de Centro-direita).
A última das tristezas é – neste momento – a "limitação" de Hillary Clinton, que certamente preocupa Bergoglio após seu torpedo flagrante contra Trump sobre a imigração ser desvantajoso para ele (embora Clinton seja fanaticamente secularista).
O papa Sul americano também teve que aceitar a derrota de seu candidato presidencial na Argentina, onde ganhou Mauricio Macri, de centro-direita, que ele se opôs. Adicione a isso o colapso do poder de seus amigos da esquerda brasileira, Lula e Dilma Roussef (deposto e acusado).
Mesmo a tentativa de concluir um acordo com a China comunista (acordo que seria um golpe para os cristãos perseguidos e para os bispos clandestinos) parece cada vez mais difícil, porém Bergoglio assinou declarações embaraçosas pela ditadura, e legitimação de seus crimes e até mesmo - a próxima reunião das religiões em Assis 20 de setembro - foi feito pelo regime comunista chinês para ditar a exclusão do Dalai Lama a partir da lista de convidados.
Finalmente, destaca-se a sua inação - a nível diplomático e internacional - sobre a tragédia dos cristãos perseguidos e massacrados em diferentes partes do mundo.
PROFANAÇÃO
No front doméstico do Vaticano – apesar do clima de medo que estabeleceu Bergoglio – provocará grande controvérsia a carta que ele mandou estes dias aos Bispos argentinos, onde ele afirma que a única verdadeira interpretação de laetitia Amoris é ultramodernista, significando " o incitamento ao adultério e a profanação dos sacramentos" (Disse-me um prelado da oposição).
É a primeira vez na história da Igreja que um papa coloca a sua assinatura em uma reversão da lei moral.
Mas acaba com o ensinamento milenar da Igreja baseada no Evangelho que tem enormes consequências na vida dos cristãos e até mesmo causar-lhe a questionar a ortodoxia de Bergoglio (duvido que Newsweek como fez meses atrás ainda coloque na capa: "É o papa católico?").
Demolir os sacramentos - de acordo com o pensamento católico - significa demolir a própria Igreja Católica. O atual bispo de Roma segue esta estratégia de diferentes formas: pela substituição gradual da hierarquia (que dizem ter planejado um novo consistório com a criação de um pelotão de cardeais bergoglianos que assim hipotecariam até o futuro) sobre os diferentes pilares da doutrina Católica.
Eles já estão em obras - embora secretamente - os golpes ao sacerdócio (com a admissão de mulheres ao diaconato e ao embaciamento do celibato).
Mas o objetivo principal ainda é sobre a Eucaristia e é parte de um projeto de "protestantização" da Igreja Católica, que é poderosamente construído por um eixo político que vai desde os Estados Unidos de Obama para a Alemanha e norte da Europa: é provavelmente apenas o desenho que se opôs Bento XVI e para a qual tenha sido "acompanhado na sua saída".
BERGOGLIO E LUTERO
Em 31 de Outubro Bergoglio fará uma visita a Suécia para comemorar os 500 anos do cisma de Lutero.
Já a visita em si é discutida, porque o Bispo de Roma tem teimosamente recusado a participar do Congresso Eucarístico de Genova, em setembro (o primeiro caso, no período imediatamente após o Concílio, um papa se nega a participar a este evento espiritual), enquanto participará com entusiasmo as celebrações do herege mais devastador na história da Igreja.
Nessa ocasião pode haver "danos irreparáveis" que podem ocorrer com a aprovação da inter-comunhão entre católicos e luteranos.
Seria a abolição de fato da doutrina católica da transubstanciação, a abolição, na prática da Eucaristia: deve ser lembrado que, na última cerimônia do 28 de junho, não surpreendentemente, o Papa emérito Bento XVI insistiu sobre o termo "transubstanciação", apenas para indicar o perigo iminente ....
Intercomunhão entre católicos e protestantes é a equalização da Eucaristia o pão e jantar normal Luterano. Para a igreja seria uma catástrofe. Que pistas nos mostram que vão nesta direção?
PISTAS
A Primeira de todas são as palavras surpreendentes de Bergoglio em 15 de novembro de 2015, durante a sua visita à comunidade luterana de Roma.
Em seguida, a interpretação dessas palavras que deu uma fonte oficial como "Civilização Católica”.
Finalmente, anteontem Bergoglio, em Santa Marta, fez um discurso que poderia ser sua artilharia preventiva típica de fogo que geralmente desencadeia para preparar sua demolição (fez assim também para o tema da comunhão para pessoas divorciadas e recasadas).
Na verdade, ele tem amarrados juntos uma série de imagens em ruínas, como ele faz toda vez que ele quer para bater nos adversários da sua "revolução".
No final do seu discurso confuso a essência era esta: evitemos que o diabo destrua a igreja com as divisões, especialmente com as divisões na “raiz da Igreja, que é o corpo de Cristo, a Eucaristia”.
Este conceito, em si, seria normal e justo, se não fosse utilizado em sentido inverso, porque os "divisores" contra o qual Bergoglio já começou a atacar poderia ser aqueles bispos católicos que dizem que não podem assimilar a Eucaristia (verdadeiro Corpo e sangue de Cristo) para o pão do jantar Luterano.
Conhecendo o modo de proceder de Bergoglio é de se esperar que ele fará esta aparente apologia da Eucaristia, o argumento de que trabalha para o ataque final contra a Eucaristia. (já usado estes artifícios dialéticos incríveis na “Amoris laetitia” onde ele começa a exortar coabitação e o adultério para o bem dos filhos).
LUTERO CONTRA A EUCARISTIA
Na verdade, a única divisão real e devastadora na Igreja sobre a Eucaristia, foi consumada há 500 anos por Lutero, que Bergoglio comemorará.
Eis o que ele disse sobre a Missa:
"Declaro que todos os bordéis, homicídios, roubos, assassinatos e adultérios são menos abomináveis menos mau que é a Missa papista“.
E ainda:
"Quando a Missa for destruída, eu acho que será derrubada com ela todo o papado. O papado na verdade repousa sobre a missa como sobre uma rocha, em uma só peça com os seus mosteiros, bispados, faculdades, altares, ministérios e doutrinas, em uma palavra com toda a sua barriga. Tudo isso necessariamente vai entrar em colapso, quando desmoronar e será colocado a missa como sacrílega e abominável ".
Se, por conseguinte, Bergoglio for consistente com o que ele disse antes de ontem, se quiser realmente proteger a Eucaristia, em vez de ir para legitimar a Lutero e suas doutrinas, deve dizer aos protestantes que não há nenhuma intercomunhão e que a Eucaristia é o corpo e sangue de Cristo.
Em seguida, ele também deve retirar a Amoris Laetitia que legitima efetivamente a profanação da própria Eucaristia.
Mas não vai fazer nada disso e vai seguir o seu caminho, que é fortemente patrocinado pelas potências internacionais.
As quais são as maiores defensoras deste pontificado e foram os maiores inimigos de Bento XVI, que o fizeram “renunciar”.
Todavia , é sempre possível que a parte Católica da Igreja se rebele (proeminentes intelectuais perto de papas anteriores já escreveram e deram o sinal que ja se passou da linha) e possíveis interrupções no pontificado bergogliano se a Casa Branca não continuar a ter no poder o bloco de Obama-Clinton seus patrocinadores.
Antonio Socci
Fonte: http://www.antoniosocci.com/lautunno-caldo-bergoglio-la-passione-della-chiesa/

 Padre Gabriele Amorth, da Diocese de Roma: O demônio está instalado no Vaticano


16.09.2016 - Hora desta Atualização - 23h00
n/d
Dom Gabriele Amorth, um dos exorcistas da Igreja mais conhecidos do mundo. Nascimento Maio 1925 - Falecimento Setembro 2016
============================================
Nota de www.rainhamaria.com.br
Artigo publicado no site em 29.09.2015
Disse o Exorcista, padre Gabriele Amorth: "O demônio está instalado no coração da Igreja".
Para o religioso, há sinais de que o Anticristo está vencendo a batalha contra a Santa Sé. De acordo com Amorth, as evidência são irrefutáveis. Ele ainda disse que, na alta hierarquia Católica, "há cardeais que não acreditam em Jesus e bispos que estão ligados ao demônio".
n/d
Devemos lembrar as aparições da Virgem em Akita, no Japäo, que foi das poucas reconhecidas no século XX pela Igreja, mas seu conteúdo e aviso são similares à de Fátima e a tantas outras ainda não reconhecidas nos dias de hoje.
Nossa Senhora disse: (se confirma as palavras do padre  Gabriele Amorth)
"O Diabo se infiltrará até mesmo na Igreja de tal um modo que haverá cardeais contra cardeais, e bispos contra bispos. Serão desprezados os padres que me veneram e terão opositores em todos os lugares. Haverá vandalismo nas Igrejas e altares. A Igreja estará cercada de asseclas do demônio que conduzirá muitos padres a lhe consagrar a alma e abandonar o serviço do Senhor. O demônio especialmente dirigirá sua ira contra almas consagradas a Deus. O pensamento da perda de tantas almas é a causa de minha tristeza. Se os homens aumentarem ainda mais seus pecados em número e gravidade, já não haverá nenhum perdão para eles".
============================
O padre italiano Gabriele Amorth nos fala sobre o Amor de Deus Pai, capaz de ofuscar todos os ataques do diabo.
n/d
Muitos cristãos não acreditam no diabo, como o cardeal que certa vez deixou alarmado o padre Gabriele Amorth, exorcista e especialista em mariologia: “Isso não é nada além de superstição”, tinha dito o purpurado. Outros veem o diabo em todos os lugares, prestando-lhe um excesso de atenção que não é saudável.
O padre Amorth restaura a perspectiva adequada em um “testamento espiritual” legado ao final da sua vida (ele está com 90 anos de idade). A verdade é que Deus é infinitamente “mais belo que o diabo” e muito mais atraente, diz o padre no livro-entrevista compilado por seu colega Angelo De Simone. É uma grande pena que tantos católicos deixem o Deus do Amor em segundo plano – até porque isto é jogar o próprio jogo do diabo.
Somos filhos de Deus: esta é a boa notícia que todos os cristãos devem irradiar. Como podemos evangelizar sem irradiar o Amor de Deus? Como podemos transmitir esse fogo sendo meramente “religiosos”? Afinal, todo mundo, até mesmo o ateu mais empedernido, é “religioso” de certa forma.
Sob a proteção de Maria
n/d
O diabo certamente existe e “possui” um número limitado de pessoas. O padre Amorth passou boa parte da vida expulsando-o. Ele também tem um posicionamento claro quanto às “marcas devastadoras do diabo” em nossa sociedade. No entanto, o célebre exorcista de Roma é cuidadoso para não tornar o diabo uma obsessão. Ele nos dá os seguintes conselhos sobre as inevitáveis ​​tentações e quedas que acontecem na vida do cristão: “Se há uma maneira infalível de nos proteger da influência do diabo é nos deixar atrair pela bondade e pela beleza do Bem e do nosso Deus e Pai”.
O próprio padre Amorth trilhou a estrada real de seguir o exemplo de Maria e se colocar sob a sua proteção.
Este discípulo do padre Pio não minimiza o mal, o pecado e o inferno de maneira alguma. No entanto, assim como a “pequena” Santa Teresinha, ele sabe que seremos julgados pelo amor. Desde a queda de Adão e Eva, “a razão mais profunda que impede a comunhão com Deus é o medo de Deus; um medo que não nos deixa sentir o Amor de Deus Pai por nós como filhos”. Esta é a mortal mentira do anjo das trevas: “Deus não ama você”. Este é “o pior dos males” e a fonte de todos os outros: “não conhecer o Pai”. Sem o Amor do Pai, “a lei de Deus é apenas um fardo pesado”.
Total confiança no Amor do Pai
Ao longo de toda a sua vida, de Belém até o Gólgota, Cristo nos mostra como resistir a Satanás e vencer o mal: confiando-se totalmente ao Pai, abandonando-se ao seu Amor. Isto não acontece sem a nossa participação, sem sermos vigilantes todos os dias e durante toda a nossa vida, “transformando-nos de servos em filhos”. Neste caminho, o diabo vai fazendo a sua parte: “a presença e a ação dele no mundo deve nos manter atentos para podermos travar a batalha”. O Filho quer nos associar à sua luta bem sucedida contra Satanás e contra as suas obras, de modo a sermos vencedores, junto com Ele, nas mãos do Pai.
O cristão é chamado a esta luta como outro Cristo, no testemunho pacífico da verdade: “A nossa luta não é contra criaturas de carne e sangue, mas contra espíritos do mal que habitam este mundo.
n/d
Vamos obedecer a Cristo e seguir as instruções que Paulo deu aos cristãos de Roma: vamos vencer o mal com o bem, porque a vingança gera vingança e não quebra a cadeia do mal: ela a perpetua e agrava”.
Humildade, fé e oração
Em suma, a armadilha diabólica mais formidável é a tibieza, a indiferença e a insensibilidade espiritual, que, gradualmente, nos mergulham na escuridão. Como podemos evitá-la? Os remédios são conhecidos há dois mil anos: “a humildade, a fé, a oração (o rosário), os sacramentos (a missa, o sacramento da reconciliação), vivendo uma vida cristã em conformidade com o Evangelho, fazendo as obras da caridade e perdoando os nossos inimigos”. Sempre seguindo o exemplo de Maria e colocando-nos sob a sua proteção.
Deus é mais belo que o diabo! Deus é infinita e incomparavelmente mais belo que o diabo!
Fonte: Aleteia
===============================
Nota de www.rainhamaria.com.br
Lembrando o artigo publicado em 27.09.2015
Exorcista dominicano Juan José Gallego diz qual é o pecado favorito do demônio: Soberba - Orgulho - Arrogância
A soberba - orgulho não é privilégio dos ricos. Não só através de bens materiais se pode ser soberbo, pois muitas vezes a pessoa pode se sentir superior aos outros por acreditar que é o melhor no que faz, no que decide, na sua capacidade de resolver situações.
Arrogância é o sentimento que caracteriza a falta de humildade. É comum conotar a pessoa que apresenta este sentimento como alguém que não deseja ouvir os outros, aprender algo de que não saiba ou sentir-se ao mesmo nível do seu próximo. São sinônimos, o orgulho excessivo, a soberba, a altivez, o excesso de vaidade pelo próprio saber.
======================================
Soberba - Orgulho - Arrogância
Pecado favorito do demônio
n/d
Um exorcista tem medo? Qual é o pecado predileto do demônio? Estes foram alguns dos temas de uma recente entrevista do sacerdote dominicano Juan José Gallego, exorcista da arquidiocese de Barcelona, a um jornal espanhol.
Há nove anos o Pe. Gallego foi designado exorcista, e afirmou que, na sua opinião, o demônio é um ser “totalmente amargurado”.
Através de uma entrevista, realizada pelo jornal espanhol ‘El Mundo’, o sacerdote assegurou que “a soberba” é o pecado de que o demônio mais gosta.
n/d
“Sentiu medo alguma vez? ”, perguntou o entrevistador ao sacerdote. “Este é um ofício bastante desagradável”, respondeu o Pe. Gallego. “No começo tinha muito medo. Olhava muito para atrás e via demônios em todo lugar... Veja só, no outro dia estava fazendo um exorcismo. ‘Te mando! ’, ‘Te ordeno! ’... E o Maligno, com uma voz tremenda, gritou: ‘Galleeeego, estás exageraaaaando!’. Então tremi”.
Entretanto, o padre sabe que o demônio não é mais poderoso que Deus. O exorcista recordou que “quando me nomearam, um parente me disse: ‘Ai, Juan José, estou toda assustada, porque no filme ‘O exorcista’ um morreu e o outro pulou pela janela’. Eu ri e lhe respondi: ‘Mulher, não se esqueça que o demônio é criatura de Deus’”.
Quando as pessoas estão possuídas, relatou, “perdem o conhecimento, falam línguas estranhas, têm uma força exagerada, mal-estar profundo, vemos senhoras educadíssimas vomitando, blasfemando”.
“Um jovem durante a noite era tentado pelo demônio, queimava sua camisa, entre outras coisas, e me disse que os demônios lhe propuseram: ‘Se fizer um pacto conosco, isso nunca mais acontecerá com você’”.
O Pe. Gallego também advertiu que práticas da “nova era” como por exemplo, o reiki e a ioga, podem ser portas de entrada para o demônio. “Ele pode meter-se um pouco por aí”, assinalou.
O sacerdote espanhol lamentou que a crise econômica que açoita a Espanha há alguns anos “nos traz os demônios. Os vícios: a droga, o álcool... No fundo eles são uma possessão”.
“Com a crise as pessoas sofrem mais. Estão desesperadas. Há pessoas convencidas de que o demônio está dentro delas”, concluiu o Pe. Gallego. Fonte: ACI Digital
=============================
Nota final de www.rainhamaria.com.br
Diz na Sagrada Escritura:
Non serviam! ― Não servirei! "Subirei até o alto dos Céus, estabelecerei o meu trono acima dos astros de Deus, sentar-me-ei sobre o monte da aliança! Serei semelhante ao Altíssimo!” (Isaias 14, 13-14).
Este odioso brado de revolta ― inspiração de todos os gritos de insubmissão da História ― fez-se ouvir no Céu. Era Lúcifer, o anjo que portava a luz. Tal era sua excelência que a Igreja aplica a ele as palavras de Ezequiel: “Tu és o selo de semelhança de Deus, cheio de sabedoria e perfeito na beleza; tu vivias nas delícias do paraíso de Deus e tudo foi empregado para realçar a tua formosura!” (Ez 28, 12-12)
Arrastando consigo a terça parte dos anjos, Lúcifer foi precipitado no inferno, tornando-se o príncipe das trevas.
n/d
“Como caístes, ó astro resplandecente, que na aurora brilhavas? A tua soberba foi abatida até os infernos” (Isaias 14, 11-12). Eis o castigo do orgulho!