Papa Francisco, Falso Profeta?

É difícil encontrar quem não goste do Papa Francisco. Ele é bonachão, gente boa, humilde, amigo dos pobres, não gosta de riquezas e opulências, não implica com os homossexuais e nem com os abortistas. Dizem até que ele vai andar de fusca, e como se pode ver na foto acima, gosta de coisas simples. Maravilha, não é mesmo?

E se eu lhe disser que o Papa Francisco veio para destruir a igreja católica e blasfemar contra Cristo, você acreditaria? É verdade, e é como católico que eu lhe digo isso.

Francisco é o representante da maçonaria infiltrada na igreja, que finalmente conseguiu eleger o seu papa. É duro dizer, mas o demônio chegou ao papado. Ele é a besta do Apocalipse 13-11 ”que se veste como um cordeiro (símbolo de Cristo), mas fala como um dragão” (blasfema contra Deus).

Você lembra o que Paulo VI disse? “A fumaça de satanás de infiltrou na igreja”. E agora chegou ao seu vértice.

João Paulo I foi assassinado com apenas trinta dias de pontificado, lembra? Tentaram matar João Paulo II logo no início de seu pontificado com um tiro à queima roupa, lembra? E Bento XVI, coitado, foi tão perseguido que acabou tendo que renunciar, como se fosse um incompetente. Escândalos e mais escândalos estouraram em seu pontificado. Até seus documentos pessoais foram roubados, para poder chantageá-lo.

E agora com Francisco não existem mais escândalos sexuais nem financeiros. A mídia, controlada pela maçonaria o está endeusando, fazendo dele um ídolo, um líder inovador, um mito. Reis, rainhas e governantes têm vindo beijar o seu anel, em reverência a “sua santidade”. Que mudança brusca, não é mesmo?

Mas o que deseja Francisco? É simples: a luta entre Deus e o diabo continua. Como o diabo sabe que nada pode contra Deus, passar um tempinho sentado na cadeira de Pedro já está bom, pois de lá ele pode “abrir a boca em blasfêmias contra Deus, para blasfemar o seu nome, o seu tabernáculo e os habitantes do céu” (Apoc. 13-6).

Outra missão de Francisco é facilitar o surgimento do anticristo, pois ele trabalha segundo as ordens deste, pois está sob sua vigilância, como vemos em Apocalipse 13-12. Foi primeiro preciso “ferir o pastor” (Zacarias 13,7), ou seja tirar Bento XVI, para que as ovelhas fossem dispersas (os fies). A partir de agora haverá uma grande confusão e divisão dentro da igreja católica e no mundo todo, e no meio desta confusão surge o anticristo apoiado por Francisco, que aliás já declarou que o microchip (marca da besta) é benéfico para a humanidade, não existindo na Bíblia nada que impeça o seu uso (será que Francisco já leu o Apocalipse alguma vez?)

Outra missão suja de Francisco: promover o aborto e o homossexualismo no mundo. Estes dois pecados são abominações e dão poder à satanás. É por isso que tem dinheiro à vontade para promover parada gay no mundo todo e para praticar o aborto. No Brasil o próprio governo paga o médico para a mulher que queira abortar. Recentemente Francisco afirmou que os católicos são “obcecados” com o aborto e o homossexualismo. Sublimarmente ele disse: “esqueçam aborto e homossexualismo”. Aliás, quando esteve no Brasil Francisco não fez nada para evitar o aborto, cuja lei já estava pronta, e que agora foi assinada por Dilma.

Francisco está usando mensagens sublimares, para blasfemar contra a igreja, para ser mais claro, para avacalhar mesmo com ela.

Quando perguntado pela repórter o que achava do lobby gay dentro do vaticano, Francisco respondeu: “ser gay não tem problema”. E deu uma grande pausa. E depois continuou: “o problema é o lobby gay”.

A mensagem sublimarmente passada: o homossexualismo está liberado. Resultado: explosão do homossexualismo no mundo, tendo sido Francisco eleito o “homem do ano”, pela maior revista gay dos estados unidos. Eu já vi, na missa, vários casais gays se acariciando como se fosse a coisa mais normal do mundo. E ninguém pode falar nada, pois Francisco liberou, mesmo que sublimarmente.

Mas o pior de tudo é que Francisco está atentando contra o sacrifício de Cristo na Cruz. A blasfêmia maior de todas é a de negar o culto devido só a Deus para dá-lo às criaturas e ao próprio satanás.

Cristo derramou seu sangue na cruz para nos salvar. Foi para pagar o pecado de Adão e nos reconduzir ao Pai que Cristo se sacrificou por nós.

Agora, Francisco está anulando o sacrifício de Cristo. Recentemente ele disse: “não é preciso converter ninguém. Ajude o pobre e vá embora”.

Esta afirmação pode parecer bonita e caridosa, porém, ela elimina o sacrifício de Cristo.

Ajudar o pobre, o menor abandonado, o doente, a viúva desamparada e todos aqueles que precisam, é uma conseqüência do amor à Deus. Se amo à Deus, também amo ao meu próximo, e consequentemente o ajudo naquilo que ele precisa. Enquanto esteve na terra, Cristo ajudou intensamente os necessitados. Ajudar ao próximo é uma excelente atitude, que vai ajudar no nosso julgamento diante do Pai, pois “seremos julgados pelas nossas obras” (Rom 2-6).

Mas veja bem, o que salva não é a caridade. Jesus quando enviou os doze apóstolos disse: “Ide ao mundo e pregai o evangelho à toda criatura da terra. Aquele que crer e for batizado, será salvo, mas quem não crer será condenado” (Marcos 16-16).

Cuidado, você pode passar a vida toda fazendo caridade e ir para o inferno.

E é isso que o papa Francisco quer, lhe levar para o inferno. Ele quer tirar Cristo do centro e colocar os pobres, mas pobre não salva ninguém, quem salva é Cristo.

Outra armação pesada de Francisco: “todas as religiões levam a Deus”. Parece bonito não é mesmo? Assim sendo, você pode ir na macumba, que lá você irá encontrar a Deus também.

Mas pense nisto: só Cristo morreu na cruz, logo, o caminho para o céu, é somente através dele. Você já viu algum Buda crucificado? Maomé foi pra cruz? E Alan Kardec, passou por lá? Veja o que disse o próprio Jesus: Eu sou o caminho, a verdade e a vida;ninguém vem ao Pai senão por mim (João 14,6).

Repetindo o que disse Jesus:” Ninguém vem ao pai senão por mim”.

Cuidado: quando Francisco anunciar a criação da igreja ecumênica mundial, unindo todas as religiões, não caia na lábia dele. O que ele quer é lhe afastar de Cristo e levá-lo à Satanás.

Aqui novamente Francisco está querendo lhe levar para o inferno. Siga um caminho diferente ao de Cristo e você vai ver onde vai parar.

Aliás, recentemente Francisco disse que o inferno não existe mais. O que ele quer, é que você não creia mais na existência do inferno, para lhe mandar para lá.

“Roma perderá a fé, e converter-se-á na sede do anticristo". Sabe quem disse isto? Parece coisa de fanático, não é mesmo? Mas esta afirmação é de Maria, mãe de Jesus e nossa, em La salette, França em 1846, aparição reconhecida pela igreja. Veja a mensagem completa (http://www.rainhamaria.com.br/Pagina/366/Os-Segredos-de-La-Salette), você vai se surpreender.

Na verdade, a partir de La Salette, Maria antecipou o que iria acontecer no mundo. Em Fátima, Portugal, em 1917, Maria disse que o demônio se infiltraria até o vértice na igreja, além de ter previsto o fim da primeira guerra, a expansão do comunismo e o início da segunda guerra. Acredita-se que o fato do demônio ter chegado ao papado, faça parte do terceiro segredo de Fátima, que na verdade não foi divulgado.

Em Akita, Japão em 1973 Nossa Senhora disse: "O Diabo se infiltrará até mesmo na Igreja de tal um modo que haverá cardeais contra cardeais, e bispos contra bispos. Serão desprezados os padres que me veneram e terão opositores em todos os lugares. Haverá vandalismo nas Igrejas e altares. A Igreja estará cercada de asseclas do demônio que conduzirá muitos padres a lhe consagrar a alma e abandonar o serviço do Senhor".

Eu já vi dois padres, em uma emissora católica, em rede nacional, incentivar o casamento civil gay, e ainda citam as encíclicas do papa Francisco para justificar tal abominação. O que os padres não dizem, é que os afeminados vão para o inferno, pois “não vos enganeis: nem os impuros, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os devassos, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbados, nem os difamadores, nem os assaltantes hão de possuir o Reino de Deus” (1Cor 6, 9-10), e também Apoc 21.8: Os tíbios, os infiéis, os depravados, os homicidas, os impuros, os maléficos, os idólatras e todos os mentirosos terão como quinhão o tanque ardente de fogo e enxofre, a segunda morte. Se você ler as mensagens marianas como La Salette, Akita, Fátima, Lourdes e outras, vai se surpreender com o que Maria tem dito. O problema é que Deus e sua mãe foram esquecidos por esta geração.

Assim sendo, o aviso foi dado. Muita coisa ainda vai acontecer daqui para frente. Fique atento pois Cristo realmente está voltando para instalar seu definitivo reino de amor. Não fique de fora.

Movimento de Resistência Católica Viva Bento XVI

Obs: Leia as postagens anteriores clicando em "Postagens Mais Antigas", no final do Blog ou "LEIA ARTIGOS ANTERIORES" e escolha o mês, abaixo.

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

GRAÇAS AO FALSO PAPA FRANCISCO, OS CATÓLICOS ESTÃO SE TRANSFORMANDO EM COMUNISTAS, ESPÍRITAS, PROTESTANTES, BUDISTAS, ISLÂMICOS E TUDO QUE NÃO PRESTA


“Um só rebanho, um só Pastor!”
(Note-se bem: Não é, um só pastor e vários rebanhos!)
Nossa Igreja está em risco! E já esperávamos por isso!
“O sucessor deste João...”
(Ler: linhas vermelhas de 07 de Novembro de 2000.)
E Nossa Senhora nos pede sempre para rezarmos pela Santa Igreja.
O inimigo é asqueroso e como se percebe, foi aos poucos aplicando veneno no meio da Igreja a ponto de conseguir envenenar tanto aos leigos como aos sacerdotes.
A confusão e as dúvidas se fazem notar, no seio desta Santa Igreja de Jesus!
Estamos nos “protestizando”, nos “comunizando”, nos tornando adeptos de Buda, ou de Alá, estamos nos tornando espíritas ou adeptos do candomblé!
Já não temos coragem de assumir a nossa identidade de católicos!
As outras religiões não aceitam nada da nossa, mas nós aceitamos os ensinamentos delas!
Às vezes me pergunto: Por que Jesus veio? O que Ele, de verdade, queria?
Certamente não veio pedir para que ficássemos de braços cruzados e deixássemos tudo acontecer...
Ele provou que não veio para isto, com a sua própria vida e deixou-nos o recado: “Fazei isto em memória de Mim!”
Ele, certamente não estava se referindo só à transubstanciação, mas convidava a sermos vítimas como Ele!
Mas, já escutei até de sacerdotes: “É bom a gente não enfrentar, pois poderiam nos proibir ou nos enclausurar e assim não poderíamos mais exercer o nosso apostolado, fazendo com que muitos ficassem sem a possibilidade de salvação!”
E eu me pergunto: que tipo de evangelizador é este? Para que ele foi ordenado? São medrosos! Deus não nos quer frouxos! Não nos quer desertores!
Nossa Senhora já nos alertava, há algum tempo, que haveriam muitos mártires, e alguns até entre nós, do Salvai almas! Mas eu indago: Onde estão? Quem são? O medo, a vergonha, tomou conta de todos?
Então Deus não soube escolher? Não me refiro só aos padres, mas também a nós próprios pois, como também Nossa senhora nos falou: “Sois também responsáveis pelos sacerdotes!” Não podemos permanecer alheios ao que acontece no mundo e mais precisamente, com o que acontece com a nossa Santa Igreja!
Também não podemos falar mal de Francisco, ou de padres, ou de bispos, pois para nós não adiantaria muito conversão deles, ou a mudança nas regras da Igreja, porque para nós importa primeiro a nossa própria conversão, para assim termos forças para combater os males, pois assim os conheceríamos realmente.
Devemos crer firmemente na nossa Doutrina, não duvidar de nenhum dos itens, nenhum dos artigos, nenhum dos mandamentos, para assim podermos ter as armas e a coragem suficientes para a batalha.Sim, porque, quem diz que todas as religiões são boas, é porque certamente já não acredita na sua própria religião!
As leis de Deus estão sendo mudadas e trocadas pelas leis dos homens, que as fazem para protegerem-se ou proteger seus filhos e familiares... E nós simplesmente as aceitamos, e não só isso, as acatamos como verdades e as vivemos... por medo da discriminação!
Aborto, homossexualismo, pílulas, tudo é aceito pelos homens, que acham que Deus também deve aceitar! “Nenhum ponto, nenhuma vírgula serão tirados da Palavra de Deus”, dizia Jesus! E dizia ainda: “Minhas palavras não passarão!”
Como podemos então, ficarmos alheios? Cruzarmos os braços? Emudecermos diante de tantas barbaridades que afrontam as leis de Deus? Como podemos simplesmente aceitar as outras religiões, ou o protestantismo que foi outrora expulso, excomungado de nossa Igreja? Como podemos aceitar o seu batismo, que apenas faz com que os batizados se tornem membros de sua Igreja, quando na verdade, o Batismo de Jesus, faz com que os batizados se tornem filhos de Deus?
“Quem não for batizado não será salvo!” E que batismo é este senão o que torna o Batizado, filho de Deus? As outras Igrejas pregam o batismo para o ingresso na sua igreja! Nós queremos só isso? Devemos então, deixar Deus de lado?
Acordemo-nos! Está na hora! Amém!
Cláudio Heckert
(Oração para a próxima ANISTIA, mas podemos ir rezando desde já)
ORAÇÃO Á MARIA MÃE DO UNIVERSO 20161205
Mãe Amada: São tantos os teus títulos! Mas quiseste também ser lembrada como a Mãe do Universo! Gostas de ser chamada de Mãe, de agir como mãe, de tratar teus filhos com o amor que só as mães sabem ter!
Mãe Amada: somos tão carentes!
Sabes Mãe, somos tão crianças, tão ingênuos, tão irresponsáveis, tão inseguros! Precisamos então, do teu abraço, do teu beijo, do teu sorriso... do teu colo, Mãe!
Aperta-nos, Mãe, em teu coração tão bonito, e faz com que as luzes que dele brotam, inundem nossa alma, nosso coração, nosso ser!
Sabes, Mãe, quando estamos Contigo, nosso coração se põe a saltar, a cantar, a rezar, a dançar... Fique aqui, Mãe! Fique aqui bem pertinho! Assim, Mãe, assim... Amém!
CISMA NA IGREJA CATÓLICA SE APROXIMANDO: Cardeal Brasileiro ataca críticos de ‘Amoris Laetitia’: Nós somos 200 e eles só são 4.


https://fratresinunum.files.wordpress.com/2010/10/lula-comungando1.jpg

Lula comungando por conta própria, sob as bençãos de Dom Hummes.
LifeSiteNews, 29 de novembro de 2016 | Tradução: FratresInUnum.com:
Depois que quatro Cardeais expressaram preocupações relativas às ambiguidades em Amoris Laetitia através da publicação do Dubia, o cardeal brasileiro Claudio Hummes os repreendeu dizendo eles estão sozinhos em suas causas.
Apesar do fato de que outros bispos e muitos outros já se juntaram aos quatro compartilhando as mesmas preocupações, o cardeal Hummes procurou minimizar sua parte na controvérsia.
“Nós somos duzentos, enquanto eles são apenas quatro”, vangloriou-se Hummes numa entrevista em espanhol ao “Religião Digital”.
Embora alegando que o cardinalato como um todo apoia o Papa Francisco, Hummes acusa os quatro cardeais de provocar um cisma na Igreja. “A Igreja defende a sua unidade como uma unidade na pluralidade […]. Essa pluralidade é deslegitimada se a unidade é ameaçada por cismas. Estas divisões são o verdadeiro mal, não a pluralidade “.
Apesar da preocupação externada por Hummes, não escapa ao olhar do observador atento que um grande número de cardeais já se uniram várias vezes para defender o Magistério integral e tradicional da igreja. Durante o Sínodo dos Bispos, 13 cardeais assinaram uma carta fraterna dirigida ao Papa abordando a manipulação do Sínodo. Mais recentemente, os cardeais Raymond Burke, Carlo Caffara, Joachim Meisner, e Walter Brandmüller tornaram público seu pedido ao Papa para que ele esclareça o que permanece discutível em Amoris Laetitia.
“A Igreja quer ser aberta a todas as sensibilidades,” Hummes explicou. Mas não há nenhum sinal de abertura para os quatro cardeais da parte de Hummes ou do papa Francisco. Até agora, o papa Francisco não respondeu às dúvidas que foram formuladas em linguagem simples e que devem ser simplesmente respondidas com “sim” ou “não”.
A representação que o Cardeal Hummes faz, segundo a qual a Igreja é um partido democrático no qual a maioria é que dá as cartas – usando o seu exemplo de 4 X 200 – é igualmente defeituosa. O cardeal não se esquece do número de proponentes, mas sim do conteúdo da Dubia. Ao mesmo tempo, não muitos cardeais têm apoiado o Papa Francisco em sua recusa de responder as dúvidas.
“O Papa diz que nós temos que caminhar todos juntos e não excluir ninguém. Não é tão importante o que pensam, o que eles dizem, ou o que fazem… “, Hummes declarou na entrevista. Ele reitera: “Temos que caminhar juntos e encontrar uma forma de fazê-lo sem excluir ninguém.”
“Se alguém quiser excluir-se, então, é problema dele”, acrescentou maldosamente, deixando implícito que os quatro cardeais estão nadando contra a corrente e alguns deles por causa de algum tipo de obstinação pessoal. Na verdade, os quatro já explicaram publicamente que seu interesse reside no esclarecimento de dúvidas para os fiéis. As dúvidas foram originalmente concebidas para serem tratadas de forma privada e os cardeais só resolveram torná-la pública porque o Papa recusou-se a responder ao apelo.
“A uniformidade começa a criar muros e decidir quem está dentro e quem está fora”, explicou Hummes, invocando a imagem popular de um muro, a fim de atacar uma mentalidade conservadora. “O Papa poderia estar muito aborrecido com os motivos que levaram essas quatro pessoas a querer corrigi-lo.”
“Mas ele está totalmente tranquilo. Ele sabe o caminho certo que precisa ser seguido”. Esta declaração parece estar em contradição com relatos do jornalista Edward Pentin segundo o qual o Papa ficou, de fato, furioso com a dubia, “nada feliz”e “fervendo de raiva”.
Cardeal Hummes, ex-chefe da Congregação do Vaticano para o Clero e amigo pessoal do Papa Francisco, teve que esclarecer declarações controversas no passado, entre as quais as de uma entrevista em que disse que ele não poderia dizer se Jesus se oporia ao casamento gay.
Nota do Fratres: não nos esqueçamos das declarações relativizando o celibato sacerdotal, verdadeira obsessão de Hummes, quando acabara de ser nomeado Prefeito da Congregação para o Clero, em 2006. Ao pisar em Roma, foi obrigado a realizar um constrangedor mea culpa público, retificando suas afirmações.
Fonte>https://fratresinunum.com/2016/12/06/cardeal-brasileiro-ataca-criticos-de-amoris-laetitia-nos-somos-200-e-eles-so-sao-4/

domingo, 4 de dezembro de 2016

SINAIS VISÍVEIS E INEQUÍVOCOS DA SEGUNDA VINDA DE CRISTO



Alguns amigos nos têm questionado pelo fato de não havermos mais escrito “artigos” como tantos que já houve – longos como sempre – apontando para os sinais do fim, entretanto temos aproveitado nos comentários a textos de autores mais bem abalizados, colocar aquilo que acontece hoje, como sinal evidente do fim de uma era. Hoje, Domingo, a liturgia da Santa Missa nos fala diversas vezes sobre a “volta” de Jesus – falo da segunda vinda – entretanto não aponta os sinais correlatos que antecedem este espantoso evento, até porque, em outras passagens Jesus mesmo apontou os grandes sinais que seriam presenciados pela geração do fim. A nossa geração!
Em síntese são sete os sinais apontados por Jesus: Proliferação de seitas enganadoras e falsas profecias > guerras e rumores de guerra > perseguição dos Seus seguidores > o esfriamento da fé, a apostasia, os cismas > a abominação instalada no templo santo > fome, pestes e grandes desgraças como terremotos e tsunamis > e que o Evangelho alcançaria todo mundo, todas as nações. Vejo, entretanto, que talvez pelo fato de todas estas coisas terem sempre acontecido, em doses maiores ou menores, as pessoas se acostumaram com a falsa ideia de que “sempre foi assim” ou que “isso sempre aconteceu” e vão acreditando tolamente de que isso “nunca vai acontecer”. Satanás conseguiu “produzir” uma sociedade que já não sabe pensar, e que segue exatamente ao seu cabresto.
De fato, seitas heréticas e falsas profecias sempre as houve. Guerras e rumores de guerra foram constantes em especial guerras promovidas pelo inferno para eliminar os filhos de Deus. Apostatas e hereges houve sempre, desde os tempos dos apóstolos a Igreja teve inúmeros confrontos com eles. Desastres, acidentes, terremotos, tudo isso é frequente. Fome e pestes, doenças, epidemias e pandemias, sempre aconteceram através dos dois milênios já passados, e o Santo Evangelho, através da Igreja Católica, já atingiu a todos os países, até mesmo o último deles, a Mongólia, que já tem uma comunidade lá. Ou seja: dá mesmo para confundir até os eleitos. Por último, não se sabe bem o que seria a “abominação”, o que de fato a sintetiza em última palavra,  preconizada por Daniel, e assim o povo – e o clero – dormem embalados na falsa ideia de que “isso ainda vai demorar muito, porque só Deus sabe”.
Tão logo me pediram para novamente escrever algo, meu pensamento começou a correr por todos estes sinais, e os fui encaixando nos acontecimentos do nosso tempo atual, de hoje, e percebi então que devemos então mostrar de outra forma, apontando os fatos correlatos a aqueles apontados por Jesus, que nos mostram que – agora, hoje, em nosso tempo e sem contestação – NUNCA antes chegamos tão longe nesta confrontação furiosa, entre o bem e o mal, entre Deus e o diabo. De fato, se este já conseguiu fazer a humanidade desacreditar dos sinais do fim apontados por Jesus, não consegue esconder os efeitos devastadores de suas ações, criando sinais novos que, estes sim, explodem agora violentamente. Sinais de que esta é a confrontação FINAL, que somos a geração do fim.
Antes de apontar estes sinais “correlatos” que, estes sim, não mais deixarão dúvidas de que realmente os sinais apontados por Jesus estão acontecendo como nunca, são para o nosso tempo, são para a nossa geração – a dos últimos dias citada por Ele, temos que entender, tudo isso não aconteceu de supetão, nem nesta geração, mas sim teve início principalmente a partir dos anos 1700, quando Satanás mudou de tática: ao invés de dar grandes golpes contra a Igreja e própria raça humana, passou a agir desde as sombras, devagar, montando um projeto bem elaborado nos antros infernais, em diversas frentes, para ser concluído em séculos. E como ele não pode aparecer diante de todos, e comandar as pessoas com vistas aos seus intentos, tratou de preparar determinados homens e mulheres, escolhidos “á dedo”, instruindo-os para serem capazes de levar avante o seu plano de desafiar e vencer a Deus, mesmo que a custa segura da perda da própria alma. Julgam isso um direito, um dever!
E não faltaram homens e mulheres cooptados ao seu serviço. Falsos mestres, falsos teólogos, falsos doutores, falsos clérigos, escritores degenerados, também maus governantes, juízes venais, todos, de certa forma, com sede de vingança contra Deus e contra as Suas Santas Leis, que foram aos poucos “reformulando” o pensamento católico – que rege o mundo do bem – mudando aos poucos certos conceitos, tudo em nome da modernidade, deformando assim as consciências das pessoas, afastando-as da Verdade, e introduzindo, disfarçadamente a mentira e o mal. E de fato hoje impera a mentira, o que é falso, enganoso, que apresentado com face de bem, engana facilmente até “os eleitos”. E tudo isso vem do diabo, propagado por pessoas que se colocaram ao seu serviço.
Noutra ponta, Satanás avançou no comando dos povos, dos governos das nações, primeiro quebrando a valentias dos reinos cristãos, comandados por pessoas a serviço do povo de Deus, e entregando ao “povo” estes comandos, exatamente para que assim os pudesse desviar, comandar de fato desde as sombras, o que fez criando o que se chama de “democracia” – que apelidei de demoniocracia – uma forma solerte de eleger pessoas desviadas, até com taras e desvios morais, que pudessem ser coagidos e manipulados, mesmo que para isso tivessem que dispender grandes somas de dinheiro, literalmente comprando milhares de consciências de homens de poder, como se pode ver nitidamente em nosso pobre país. E hoje, uma diminuta claque de poucas pessoas, literalmente comanda todas as nações, seja pelas amarras financeiras, seja pelo controle dos governantes.
Sua ferramenta mais poderosa de destruição da moral e da raça humana é sem dúvida a televisão. Assim está escrito em Apocalipse em apocalipse 13, 14. Seduziu os habitantes da terra com os prodígios que lhe era dado fazer sob a vigilância da Fera, persuadindo-os a fazer uma imagem da Fera que sobrevivera ao golpe da espada. 15. Foi-lhe dado, também, comunicar espírito à imagem da Fera, de modo que essa imagem se pusesse a falar e fizesse com que fosse morto todo aquele que não se prostrasse diante dela. Ora, é pela televisão, pela repetição contínua da mentira, que as massas são manipuladas, que as populações são mantidas sob seu controle, porque o ditado muito comunista diz: quem controla as comunicações, controla os povos.  E poucas famílias controlam tudo isso!
Naturalmente que Satanás também sabia que, sem destruir a Santa Igreja Católica Romana, seu projeto jamais teria sucesso. E então usando do mesmo processo de cooptação de pessoas ao seu serviço, de dentro da Igreja, infiltrando seus satélites dentro dela, padres, bispos, cardeais – e até um papa, porque não? – para que eles fossem aos poucos minando e subvertendo a Sã Doutrina – introduzindo na Igreja certas práticas e doutrinas, até com face de bem, para não assustar o povo, coisas que aos poucos conseguiram criar outra “igreja” dentro da Santa Igreja Católica, utilizando apenas o seu nome, quando já não é mais a Igreja Una de Jesus Cristo. Naturalmente que isso tudo, num projeto que levou séculos para ser implementado, mas que agora é centrado é furioso. Quais?
Ataque centrado contra Deus Criador > Através de maus escritores, filósofos heréticos, pensadores malditos e maus cientistas financiados pelos agentes do diabo, eles conseguiram com que a imensa maioria das pessoas viesse a aceitar, estupidamente, teorias absurdas, como, por exemplo, o “big bang”. Então não precisa de um Deus Onipotente para criar o Universo, houve uma explosão, e tudo começou. A mesma forma se aplica na questão do surgimento da vida: agora não precisa mais de um Deus para criar, o “acaso” a soma infinita de multidões de acasos foi capaz de fazer surgir uma vida, primeiro microscópica, que “evoluindo” e “evoluindo”, até formar todas as espécies de vida, tanto animal e semovente, como plantas. Big bang, acaso, evolução... Fora Deus Criador... Acham que a ciência evolui tanto, que não precisa mais de um Criador, porque tudo tem explicação racional. Vejamos o...
Ataque centrado contra Jesus Redentor > Sub-repticiamente, mas com pertinácia diabólica, aos poucos eles vão transformando Jesus em um mito, quase numa lenda. Milagres e curas? Ora, são apenas situações que a ciência explica e a medicina cura. Parábolas? Apenas historinhas para angariar prosélitos e enganar os tolos. Doutrina? Apenas lições antigas que já não servem para os nossos tempos modernos! Verdade? O que é verdade? Ora isso é apenas um sentimento que cabe na cabeça de quem a tem. Absoluto? Ora, que grande tolice, coisa de fanáticos, tudo é relativo, tudo muda, tudo evolui. E assim, pecado não existe mais, Sacramentos não precisa, Adão e Eva são fábulas, a Bíblia precisa ser mudada, inferno não existe, demônio nem pensar, misericórdia é a nova deusa pagã.
Ataque centrado contra a Família Cristã > Nunca como em nossos tempos, a família foi tão atacada. Satã sabe que a família é a base da sociedade, e, por conseguinte a base da própria Igreja. Nada subsiste num ambiente de famílias desestruturadas, especialmente quando afastadas de Deus, sem oração, sem vida de fé. Da família depende toda a sociedade, para que tenha um curso firme e seguro, capaz de varar os séculos. Que querem hoje? Famílias com pares do mesmo sexo! E lutam com fúria extrema para impor tais conceitos, sob as palavras de Satanás, que hoje são a tônica, como “discriminação” e “homofobia”, conceitos erroneamente utilizados até a exaustão – embora plantados em bases falsas – que pretendem fazer a humanidade engolir até a ideologia do “gênero”, que é a supra sumidade da loucura, é onde a estupidez humana cheira já o chão do abismo. E fede! Neste sentido o divórcio, o adultério o convívio marital sem os Sacramentos, tudo isso se tornou moda corrente sob este antipontificado.
Ataque centrado contra a Verdade Revelada > Há quem diga do alto do Vaticano, que a Bíblia é um livro muito antigo, e que tem muitas passagens que precisam ser revisadas, porque já não cabem nos conceitos atuais da moral, da ética, cabíveis na modernidade. E isso está sendo feito, está sendo pregado e defendido, para escândalo da Tradição e ignominiosa ofensa ao Deus, cuja Palavra é Eterna, imutável e irreformável. Hoje se tende a aceitar a vitória de Lutero quanto ao seu absurdo “sola scriptura” e “sola fide”, dando a cada um direito de ter a sua própria verdade, abandonando assim dois milênios de seguimento de Cristo, em troca do seguimento do homem. De um monstro degenerado, assassino, bêbado e devasso. Festejado em Roma, com direito a imagem de culto!
Ataque centrado contra a Santa Igreja > É óbvio que Satanás nunca deu um só minuto de “descanso” para a Santa Igreja de Jesus. A primeira grande traição, instigada diretamente por Lúcifer foi a de Judas, a última agora se confirma, por alguns que aceitaram em troca um pouco mais do que trinta moedas. De fato, a mensagem diz assim sobre eles “ricos comerciantes os compraram”, a fim de que destruam a Igreja de Jesus, porque o demônio sabe muito bem que, enquanto a Igreja estiver de pé, jamais ele poderá dominar a humanidade. A ele e aos que os seguem já não importam as palavras de Jesus “não prevalecerão”, até porque já avançaram tanto que hoje nos parece uma ruína iminente, porque a demolição segue em rápido curso.
Ataque centrado contra o clero católico > Naturalmente que Satanás e seus comandados humanos sabiam muito bem que, jamais conseguiriam destruir a Igreja, se não derrubassem antes os seus esteios, que são os padres e os bispos. E a forma mais segura, extremamente eficaz e que conseguiu as maiores vitórias contra o clero, foi mudar os conceitos dos seminários, introduzir neles professores hereges e principalmente reitores modernistas, que aos poucos efetivamente “deformaram” os sacerdotes católicos, já não mais a exemplo de Cristo, mas aos moldes do anticristo. Formaram muitos “doutores”, muitos “teólogos”, mas evitaram formar santos. Aliás, já na própria seleção dos seminaristas, procuraram evitar a aqueles que tivessem qualquer tendência à santidade. E uma igreja sem padres santos é uma casa decadente, em vias de ruína. Seus esteios estão em parte apodrecidos, sem vida!
Ataque centrado contra Maria Santíssima > Para os autores desta revolta, Maria é Mãe, mas “todas as mães têm seus defeitos”. Ou seja, a negação de um Dogma, da forma mais descarada possível. Para eles “Maria deve ter ficada revoltada contra o Pai, porque havia dito que Jesus venceria, mas estava agora morto numa cruz”. A par disso, negam todas as aparições marianas, em todo mundo, até mesmo aquelas para as quais a Igreja já deu o seu veredicto favorável, e de tal forma é a sanha deles contra Maria, que recentemente um diplomara russo, ouviu de um cardeal de Roma a seguinte frase: nós destruiremos Fátima! E vai de “vento em popa”, porque no santuário novo eles puseram a figura de Lúcifer na Cruz central, não mais Jesus. Vão lá e vejam o monstro horrendo!
Ataque centrado contra a moral e os bons costumes > Começou com a destruição moral dos pais – e lá se vão pelo menos duas durações deles – chegou aos jovens adolescentes, e agora tentam atingir as crianças inocentes. Veio desde os tempos do Concílio, da geração alucinada dos Beatles, do rock pesado e satânico, e chega aos nossos dias com este estado deplorável, de uma geração de jovens alienados, alucinados, preguiçosos, vazios, drogados e rebeldes, castigo dos pais que aceitaram dar os primeiros passos neste desatino. Sexo livre, ficar no primeiro encontro, gerar filhos extemporâneos, e se incomodar aborta. Fácil assim! Transe a vontade, mas com camisinha! E já as mães capitularam diante das filhas. Já os pais não conseguem controlar os filhos! Drogas, pircings, tatuagens horrendas, brincos, espetos nas carnes, roupas escandalosas e extravagantes, e novos estilos de vida, um horror. E o que dizer da deificação do homossexualismo, sua propagação ostensiva e intensiva, fator de fim da raça humana?
Ataque centrado contra a vida humana, o aborto > O supremo (diabólico) do Brasil acaba de descriminar o aborto até o terceiro mês de gestação. Não é vida até ali, passa a ser depois, num passe de mágica. Mas ninguém explica como é que as mulheres, doravante, vão conceber filhos já no terceiro mês de gestação, sem passar pelos anteriores. Trata-se de uma diabólica e truculenta lei, que subverte todo o sentido da razão, da lógica e da realidade extraordinária da vida. Que pertence unicamente a Deus. Depois da liberação do aborto, acredita-se que, em todo mundo, já passe de um bilhão de crianças abortadas. Isso nunca ficará sem resposta do Criador. E a humanidade pagará caríssimo por esta conta. Quem senão o demônio pôs isso na cabeça destes loucos?
Ataque centrado contra a criação > Falo do endeusamento da natureza, dos animais silvestres e caseiros, em detrimento absurdo da vida humana. Nos EUA se você prejudicar um ninho de águia, e quebrar seus ovos, pagará uma multa de 200 mil dólares por cada ovo. Entretanto se matar um bebê em gestação está livre a paciente e está livre o médico ou parteira assassina. No Brasil, se uma pessoa ver outra matando um animal silvestre e a denunciar, ela vai presa inafiançável, além de pagar multa elevadíssima.  Mas se alguém matar quem fez isso e for a delegacia se denunciar, sai livre e responde processo em liberdade. Quem, senão o demônio fez tais leis? Quem botou na cabeça das pessoas este exagerado cuidado com animais caseiros, verdadeira idolatria, adoração, senão satanás? Isso ofende gravemente ao Deus que criou filhos para que O adoremos, não para ser servos de animais.
Ataque centrado contra a formação em geral > Naturalmente que, para que os povos aceitassem todas estas coisas passivamente, era preciso formar – ou melhor, deformar – algumas gerações, emburrecendo-as através de um escandaloso sistema de ensino, cuja finalidade é estupidificar as massas e torná-las dignas das leis imorais do anticristo. Em sua grande parte, tudo o que as crianças aprendem nos primeiros anos de escola é a cultura inútil, a aberração fútil, algo que jamais será aplicado na vida. E verdade é que enquanto os filhos dos demolidores estudam lógica para dominar as massas, os seguidores da besta se dedicam a cálculos absurdos, que para nada servem. O x + y é coisa para avoados, não para gente viva, que tem os pés no chão e precisa de cálculos racionais.
Ataque centrado contra Jesus Eucaristia > Deixei este item para o fim, não por ser o menos importante e sim porque merece atenção especial. Um dos sete sinais apontados por Jesus como indicativo do fim, de que estaria muito próxima a Sua Segunda Vinda Gloriosa, fala de uma “abominação” que se instalaria no “templo santo de Deus”, que tomaria o lugar do “sacrifício costumado”, conforme consta do pequeno Apocalipse de Daniel, descrito nos capítulos sete em diante. E foi ao final do século IXX que o inferno começou seu ataque diabólico contra a Santa Missa, onde acontece o sacrifício costumado, celebrado diariamente, do nascer ao por do sol, mais de 100 mil vezes todos os dias, sacrifício este que aplaca a ira divina, preste a exterminar esta geração de apostatas.
Como se poderá destruir a Missa, e acabar com a Eucaristia sem provocar a ira dos católicos? Sem provocar uma guerra planetária? De fato, eles sabiam que isso não poderia ser feito de forma direta, até porque todas as tentativas de mudar as palavras da Consagração provocaram sempre reações poderosas de católicos fiéis. Eles adotaram então a tática perversa de destruir aos poucos, fazendo primeiramente os padres não acreditar na presença Real de Jesus na hóstia consagrada, depois mudando o Rito da Santa Missa do Latim, para o vernáculo e nesta mudança retirando partes essenciais, em troca de uma nova versão diluída e moderna, a Missa nova. Então, a distribuição da comunhão na mão e os ministros extraordinários, visou apenas retirar o MISTÉRIO DA FÉ, como que banalizando o Sacrifício da Cruz que a Missa renova. Eis-nos a caminho da “ceia protestante”. Reles ceia festiva, comemorativa de despedida! Como podem ser tão cínicos e tão diabólicos?
Passo seguinte – e este está em curso galopante agora neste antipontificado – é dar mais um golpe em Jesus Eucaristia, permitindo a comunhão aos casais divorciados em segunda união, e agora permitindo que também os protestantes se aproximem do banquete sagrado, ambos com as vestes sujas, os primeiros em “pecado continuado” – o adultério – que não permite a absolvição na confissão, e os segundos porque sequer acreditam na presença viva e real de Jesus a Eucaristia, quanto mais estarem com a alma preparada, pois também não acreditam no perdão dos pecados, por Jesus, através da confissão aos Seus Sacerdotes. Sacrilégios, para juízo e condenação de ambos!
Ora, todo pecado é uma abominação diante de Deus? Que é nossa alma? Nossa alma é morada de Deus e templo do Espírito Santo. Acaso permitir a comunhão aos pecadores inconfessos e aos cismáticos e hereges não significa então introduzir a abominação no templo de Deus? Ora, isso se processa de duas formas, tanto dando o Santo aos imundos, como fazendo que a igreja “aprove” estas práticas, porque a Igreja é também templo de Deus. Mas efetivamente, segundo deixam transparecer inúmeras profecias atuais, deve haver um avanço ainda maior neste sentido, com a possível eliminação da Consagração, seja mudando a fórmula – imutável e sagrada – instituída por Jesus, seja trocando-a por uma “bênção” do sacerdote, alegando que, “se Deus está em toda parte, então está também no pão, não sendo necessária uma “consagração” especial, para que a presença real aconteça”.
Estamos agora no palco de uma grande batalha. Houve quatro cardeais valentes que ousaram pedir ao JMB, que explicasse cinco pontos confusos – na verdade estão bem claros – contidos no documento “amoris laetitia”, entretanto ele tem se negado a responder – e veladamente os tem ameaçado – o que poderá levar a gravíssimas consequências, porque, dado um tempo, se não houver resposta, estes ousados defensores da Verdadeira Igreja, serão obrigados a declarar este homem como um herege, publicamente, estabelecendo sem dúvida um marco decisivo para o cisma final. E chegará a hora de o mundo católico decidir, se estará ao lado de Cristo ou do anticristo. Se estará ao lado de Jesus Eucaristia e Sacramento de Vida, ou estará com a mortal abominação desoladora, e sujeito à Santa e Justa Ira divina. Isso está em curso célere, e a decisão não admite coluna do meio.
E obviamente que tudo isso não vem sozinho, mas acompanhado de um dilúvio de heresias, de erros e de aberrações doutrinárias gritantes, que têm surgido neste antipontificado. Uma das mais destruidoras, sem dúvida é a chamada “falsa misericórdia”, à qual o Vaticano usa e abusa, para seduzir o mundo católico, e desviá-lo dos caminhos da salvação. Trata-se da falsa aplicação do conceito de misericórdia, que chega ao ponto de afirma-la como tácita e coercitiva da parte de Deus, independente de o fiel cair de joelhos diante de Deus e pedir, suplicar humildemente a divina misericórdia. Deus é infinitamente misericordioso, mas também infinitamente justo!
Ora, quem se fia na falsa misericórdia compulsória que estão por aí defendendo, que cuide: seu pé já está no inferno, porque anula a Justiça divina. De fato, se Deus fosse apenas misericordioso e não também justo, seria um ídolo de pau, confeccionado por mãos – e mentes humanas – jamais o Onipotente e Onisciente, Criador, Redentor, Santificador e Eterno, Uno e Trino. Esta figura pintalgada e fantasiada de Cristo que o Vaticano tenta nos fazer engolir é uma afronta contra o Altíssimo, que trará gravíssimas consequências.
 Que se compreenda definitivamente: Se Deus fosse apenas compulsoriamente misericordioso, em relação a todo tipo de pecado e de pecador, por inconfesso e desafiador que fosse, Ele deveria ser citado como também cruel por exigir do Seu Amado Filho, a horrenda morte na Cruz. Se todos se salvam, indistintamente, se a misericórdia divina alcança a todos, até os que se negam a Lhe pedir perdão, o Sacrifício de Jesus seria desnecessário e inútil, e todo Projeto divino da Salvação das almas seria uma aberrante farsa. De fato quando eles alegam que “Deus é tão bom que não é capaz de condenar a ninguém”, fazem crer que não existe a Justiça Divina. E, na verdade,  Deus não condena a ninguém, apenas SE condena. Esta misericórdia falsa desmente a Redenção e idiotiza a Deus.
Outro sinal dos tempos, ligado à apostasia final diz respeito ao “falso ecumenismo”, que tem sido vendido e praticado, especialmente nas últimas décadas, que se tornou em ponto de confusão entre os católicos. Quando o Vaticano insiste na aproximação com os protestantes, permitindo que vivam no erro e no paganismo, e querem que sejam incorporados na Igreja de Cristo, sem conversão, sem mudança de vida, e sem a aceitação humilde e na íntegra de toda a Sã Doutrina Católica, sua Tradição, seus Documentos, seus Ritos e seus modos de culto, suas imagens e sacramentais, também seus Dogmas eternos e imutáveis, e sem que a Santa Igreja se vergue, nem um só centímetro, na aceitação da falsa doutrina de Lutero, está praticando um ecumenismo degenerado, que visa, sem dúvida bem o contrário: fazer com que a Igreja caia de joelhos diante de Lutero. Eis a religião do anticristo!
Assim, aos poucos o demônio conseguiu preparar uma humanidade digna da grande fera, que em breve tomará assento em Roma, para dali escravizar o mundo. E a humanidade caída, preparada por ele, cansada de guerras acabará por aceitar sua tirania, em nome de uma falsa promessa de paz. Então será tarde! O Céu nos tem avisado, desde muitos séculos, seja através das mensagens proféticas atuais, seja naquelas havidas nas grandes revelações marianas, como a de La Salette – aprovada pela Igreja. De fato, se os padres da nossa Igreja tivessem dado ouvidos ao que Maria Santíssima revelou a Melaine, jamais teríamos caminhando para este abismo, porque tudo o que a Mãe disse lá, está acontecendo, ou em vias de acontecer, pela lógica.
De fato a Santa Igreja Católica é a “menina dos olhos de Deus”. Jesus tem por ela um “ciúme” exacerbado, e embora no passado tenha ela sofrido ataques das forças do mal, nunca, como agora, ela sofre ataques. Porque nos outros ataques, normalmente era um grande herege que se levantava contra ela, era seguido por alguns padres e bispos, mas Deus sempre suscitava um Santo, um grande Papa, e este conclamava o clero, e a vitória do bem acontecia. Hoje, entretanto, o ataque é brutal, centrado, avassalador e chega por múltiplas frentes. E chegou o tempo em que a grande maioria do clero, aceita, tácita ou frontalmente, um verdadeiro dilúvio de heresias, e engole sem pestanejar os venenos que partem hoje da insana doutrina do Vaticano e seu colegiado. Vergonhoso!
Precisamos ainda lembrar um fenômeno que explica outra frase de Jesus sobre o fim, e que cabe como luva ao nosso tempo. Ele disse “os homens definharão de medo diante do barulho do mar e das ondas”. Em mensagem explicando esta passagem Nossa Senhora disse que seriam “ondas de povos, fugindo de suas terras” ou sendo como agora manipulados e enviados pelo mundo, especialmente sobre o continente europeu, e que estão apavorando os cidadãos daqueles países. Este fenômeno é extremamente preocupante, porque se trata de uma orquestração do inimigo, com a finalidade de enfraquecer a Europa, a fim de podê-la derrotar mais facilmente. Nenhuma nação, nem mesmo a poderosa Alemanha consegue suportar estre tranco, esta reviravolta, sem comover as suas entranhas. É este então, mais um sinal do fim, algo que jamais aconteceu, em todos os tempos.
Não podemos esquecer também desta passagem de Jesus “se aqueles dias não fossem abreviados não restaria viva nenhuma pessoa na face da terra”. Já desde a década de 1990 que Nossa Senhora nos adverte sobre o fato real que hoje acontece. Na realidade, já desde muito jovem, eu questionava minha mãe sobre certeza de que algo estranho estava acontecendo. Por exemplo, quando eu era criança, o Natal não chegava nunca, e a semana de trabalho parecia uma eternidade, e assim meses e anos. Eu sentia isso vivamente. Então numa mensagem Nossa Senhora explicou que Deus já havia encurtado os dias, que antes eram de 24 horas, para apenas 16 horas, e agora, mais recentemente, em outra mensagem ao confidente, Jesus declarou que o dia já tem apenas 14 horas.
Mas isso hoje está cientificamente comprovado, através do fenômeno conhecido como Ressonância Schuman que vem sendo monitorado desde 1945, onde um cientista alemão percebeu que o planeta terra “vibra” como um todo, e se as vibrações diminuem o tempo se alonga, se aumentam o tempo acelera. É tão certo isso, que a NASA teve que inventar um aparelho que provoca este fenômeno, para colocar nas naves espaciais tripuladas, porque ao saírem fora do campo magnético da terra, isso prejudica os astronautas. Por outro lado, houve uma destas “sibilas” antigas, que profetizou que, quando estivéssemos no fim dos tempos o dia normal duraria apenas 12 horas. Estamos, pois, caminhando para este dia. De fato, se as pessoas que vivem hoje, em meio ao stress, depressão, da pressão pela sobrevivência, os problemas e dificuldades tivessem que suportar esta carga emocional por mais 12 horas, seriam raros os sobreviventes à depressão, angústia, terror, e os suicídios seriam em massa.
Quanto ao dia e a hora em que o Senhor voltará isso ninguém sabe embora que, quando acontecer, nós saberemos que as indicações estão também na Bíblia, basta contar os dias conforme os números de Daniel. E seria mais um motivo de milhares de suicídios, se as pessoas soubessem o dia do fim do mundo ou do fim de sua vida. Mas seguindo a mesma indicação de Jesus, Ele nos alertou para mais um sinal importante, que diz respeito ao estado de apatia da humanidade, que não está realmente atenta a estes sinais dos tempos, até porque os sacerdotes, os guias do povo, eles próprios estão dormindo. Afinal, nas diferentes orações eucarísticas consta de forma repetitiva a invocação para que estejamos “atentos aos sinais dos tempos”, para que o “ladrão” não nos pegue de surpresa. Há padres que até alertam para a preparação da nossa morte, mas raríssimos alertam para a Vinda de Jesus.
Quanto a esta tão esperada Vinda Gloriosa, devemos alertar para um acontecimento chave e futuro, que todos os que sabem devem alertar as pessoas. Sabemos que a vinda do anticristo é próxima, ele existe, ele já comanda as nações, e num dado momento deverá se apresentar glorioso ao mundo, tentando imitar o Cristo que vem, e enganar as pessoas com seu falso poder. Nós sabemos também que o demônio é o “macaco de Cristo”, que não tendo poder nem inteligência de criar algo novo, apenas imita o que já está feito, e imita sempre mal. Ora, aqui surgem algumas coisas que indicarão sua falsidade. Vejamos...
1 – Jesus retorna na Glória, para julgar os vivos e os mortos, para o Juízo Final, será um evento planetário, na verdade Universal, que reunirá os povos nos ares. O anticristo criará falsos sinais nos ares, como projeções holográficas que estão sendo tramadas, e se apresentará aos povos desta forma, falando em diversos idiomas, e assim enganará a muitos. Espetáculo terrenos feito por mãos humanas.
2 – Jesus retorna glorioso, para estabelecer Sua vitória final, e não permanece na terra entre os homens, embora sim possa aparecer quando assim o desejar. O anticristo é apenas um homem, vem apenas com o poder das duas bestas, e vem para governar os homens, num reino aqui na terra.
3 – Jesus vem para unificar todos os povos no amor, para um reino definitivo, unindo os céus e a terra. O anticristo vem para governar os povos no terror, num reino terreno, que por isso terá a curtíssima duração, de 100 dias mais sete meses.
Enfim, é preciso que as pessoas estejam conscientes e sejam conscientizadas de que estamos realmente no fim dos tempos das nações pagãs, e que os tremores e horrores deste mundo atual são apenas reflexos da última e mais tenebrosa de todas as batalhas, entre Deus e o diabo, entre o bem e o mal. Não haverá outra situação igual. E mais do que isso – um sinal perfeito da proximidade do clímax disso tudo – TUDO acontecerá dentro do mandato destes dois papas, da situação que está posta agora no Vaticano. Ambos estão com idade avançada, com saúde precária, e podem partir de uma hora para outra. As situações de JMB estão definidas em Ezequiel 28 e Apocalipse 20. As de Bento XVI em Zacarias 13. Ambos com a vida por um fio.
E no encaminhamento final disso tudo, para nosso Movimento a Mãe tem instado a que não devemos, em hipótese alguma, aceitar modificações doutrinárias, sejam quais forem, a título de quer que seja, em nome de quem quer que seja, por mais atraentes que forem. Nem o Catecismo nem a Bíblia podem ser alterados. Por exemplo: NÃO para a comunhão aos divorciados em segunda união, seja qual for a situação que os levou a isso, sem atenuantes. Também NÃO para a comunhão aos protestantes, ou outras religiões. NÃO a protestanizarão da Igreja, NÃO para tudo o que diz respeito à falsa doutrina de Lutero, NÃO para este falso ecumenismo que reúne todos os credos no erro, na abominação e no conluio com as trevas. Não para se unir com muçulmanos e budistas!
A Igreja jamais teria sobrevivido por dois milênios se tivesse errado, por qual motivo, agora, modernistas e outros hereges desejam alterar sua Doutrina, seus preciosos ensinamentos, rejeitando a Tradição, negando até mesmo nossos Dogmas, rejeitando Maria e todas as suas aparições e gritos de alerta. E um claro sinal que nos alerta quanto a esta situação é que estão sendo perseguidos todos aqueles que se revoltam ou alertam quanto a estas heresias graves, porque somente o diabo persegue a quem o contraria, Deus não: Ele nos dotou do livre arbítrio. Em havendo dúvidas sobre questões de fé, elas devem ser sanadas através do diálogo, como irmãos, jamais atirando farpas e morteiros contra quem tenta barrar o avanço da apostasia. Que é hoje galopante! Como hoje acontece!
E isso cumpre, finalmente, mais um sinal apontado por Jesus “sereis perseguidos por causa do Meu Nome”, “sereis levados aos tribunais”, e ainda “virá o dia em que aqueles que vos matarem acharão que com isso prestam culto a Deus”. Ora, se alguém duvida que existe gente disposta a matar em defesa das heresias de JMB se engana. Eles estão de tal forma, cegos, que são capazes SIM de matar, e que fazem isso para o bem da Igreja. Sinal claro de que se trata de “outra igreja” aquela que defendem, porque a verdadeira tem um Mandamento que diz: Não Matar! E isso irá se intensificar, e chegará ao auge nos tempos bem finais, quando o anticristo colocar sua sede em Roma, e dali buscará governar a humanidade nos moldes de satanás. Isso acontecerá, e é próximo!
Alerto ainda para uma mensagem celeste, que trata do Grande Aviso de Deus. Temos visto muitos profetas anunciado isso, também três dias trevas, e isso como insistência crescente, e até citando tempos para os eventos. Devo dizer que esta insistência – de certos falsos profetas – visa despreparar a humanidade, que será pega de surpresa por acreditar no “já profetizaram tantas vezes e não aconteceu”, então não vai acontecer nunca. Duas coisas nos ficam bem claras e isso já colocamos nos livros a explicação.
1 – O Aviso é concomitante com o astro que cai, e concomitante com a Terceira Guerra Mundial. Vem para alertar as pessoas e vem dentro da guerra para acabar com as ações bélicas, pelo menos para inviabilizá-las. Ou seja, não será agora, de um momento para outro, que isso ocorrerá, porque seria absolutamente inócuo e Deus não faz nada mal feito. Deus precisa mergulhar os depósitos de armamentos no mar, precisa sepultar os navios de guerra nos oceanos, precisa despedaçar os aeroportos, queimar os depósitos de combustível, e acabar com a possibilidade de que algum louco solte mais que as três bombas atômicas permitidas por Ele. Se não fizesse isso, com certeza as nações se digladiariam até a extinção do planeta, porque hoje, cada cidadão que nasce, tem já sobre sua cabeça mais de duas toneladas de dinamite. Mas estes dois eventos devem ceifar 2/3 partes da humanidade.
2 – As trevas são os três dias finais, que encerram o tempo desde mundo atual, e quando se descortinar o novo dia, nós já estaremos na Nova Terra, embora que mergulhados num planeta em ruínas. Nestes três dias finais Deus, por Seus anjos, se encarregará de fulminar com os últimos remanescentes do exército do anticristo, para que, junto com os demônios, sejam sepultados para sempre nas entranhas da terra, para que nunca mais contaminem a terra com suas maldades e abominações. Serão dias terríveis, mas as mensagens têm mostrado como nós devemos nos portar nestas trevas, e ninguém que é filho de Deus ficará sem a devida proteção.
Enfim, Lucas diz “quando virdes todas estas coisas acontecendo, alegrai-vos e erguei as cabeças, porque a vossa libertação está próxima”. Porque “quem manter a fé até fim, será salvo”, eis porque “um será levado e o outro deixado”. Nesta terra, restará então apenas um povo humilde e simples, voltado apenas para a paz, porque virá o Reino do Amor, conforme o desejo do Pai, quando criou Adão e Eva. Restará, como já vimos em outros livros, apenas uma semente, um “germe santo” da casa de Jacó, apenas pessoas que pertençam, por linha de sangue, a uma das doze tribos de Israel. A Escritura não mente, e trás isso por dezenas de vezes. Deus não tem compromisso com a semente do mal, com aqueles que trazem no sangue a semente da insídia, da divisão, em síntese, do mal.
Mas isso é assunto tratado em nosso livro “A Saga das Almas”, que será reeditado em breve. No mais, peço desculpa por me estender tanto, mas o assunto é vasto – e não foi esgotado – enquanto aguardo a hora de lançar o livro Ecos do Apocalipse, que espera a autorização do Céu. Tudo o que nos resta então, neste tempo final, que como diapasão aumentará sempre mais o volume das angústias, das doenças terríveis que ainda virão, dos terremotos e tsunamis que aumentarão até o máximo, da perseguição que virá contra os que adoram Jesus Eucaristia, da guerra mundial que sucederá a uma grave crise econômica, enfim, dos astros que já se encaminham em nossa direção, só nos resta rezar confiantes, porque a frase que mais tenho repetido aos que me escrevem ou telefonam: venceremos no final! Isso é sabido e certo, tal como à noite sucede uma resplandecente aurora.
Que Deus vos abençoe a todos. (Aarão)

terça-feira, 29 de novembro de 2016

ENTENDA A MAFIOSA ELEIÇÃO DO PAPA FRANCISCO

godfried-danneels-1
A eleição de Jorge Bergoglio foi o fruto de reuniões secretas que cardeais e bispos, organizados por Carlo Maria Martini, mantiveram por anos em St. Gallen, Suíça. É o que revelam Jürgen Mettepenningen e Karim Schelkens, autores de uma biografia recém-publicada do cardeal belga Godfried Danneels, que chamou o grupo de cardeais e bispos de “Mafiaclub”.
Danneels, segundo os autores, teria trabalhado por anos para preparar a eleição do papa Francisco, realizada em 2013. Ele próprio, além disso, em um vídeo gravado durante a apresentação do livro, em Bruxelas, admite ter feito parte de um clube secreto de cardeais que se opunham a Joseph Ratzinger. Rindo, ele o define como “um clube no estilo máfia que tinha o nome de St. Gallen”.
O grupo queria uma reforma drástica da Igreja, muito mais moderna e atual, com Jorge Bergoglio-Papa Francisco no comando, como depois veio a acontecer. Além de Danneels e Martini, segundo revelado no livro, faziam parte também do grupo o bispo holandês Adriaan Van Luyn, os cardeais alemãos Walter Kasper e Karl Lehman, o cardeal italiano Achille Silvestrini e o britânico Basil Hume, entre outros.
Assim escreve o jornal belga “Le Vif”: “Em 13 de março de 2013, um velho conhecido estava ao lado do novo Papa Francisco: Godfried Danneels. Oficialmente, ele estava lá como decano dos cardeais-presbíteros, mas, na realidade, trabalhou durante anos como o discreto criador do rei”.
Danneels foi convidado novamente pelo Papa Francisco para participar do Sínodo sobre a Família, a ser realizado em outubro, em Roma. Sua participação, no entanto, foi muito criticada. Ele havia tentado dissuadir uma vítima de abuso sexual de denunciar o autor, um bispo (tio da vítima), e, por esta razão, na época do Conclave em 2013, na Bélgica havia muitos que não queriam que ele participasse da eleição do novo Papa.
Além disso, as suas posições sobre o casamento gay e o aborto (de acordo com a revelação de dois parlamentares belgas, ele teria escrito pessoalmente ao Rei da Bélgica, exortando-o a assinar a lei [autorizando-os], com a qual ele [Danneels] concordava) não parecem em sintonia com o Magistério da Igreja. E até mesmo com o que o Papa Francisco afirma.

sábado, 26 de novembro de 2016

PAPA FRANCISCO NÃO É MATERIALMENTE PAPA


“Cada um tem sua idéia do bem e do mal e tem que escolher seguir o bem e combater o mal como ele concebe. Bastaria isto para melhorar o mundo.” (Bergoglio)
https://4.bp.blogspot.com/-KFXDVXN2q9o/WDmwDaPE1yI/AAAAAAAAAC4/nMZcA4VbJcYWy4Ninoa4Sy-sVaOhHSOSwCLcB/s320/Bergoglio%2B%252818%2529.jpg
BERGOGLIO SUPERMAN
Protetor dos homossexuais
Guia de cegos
Caudilho dos hereges
Ditador de mentiras
Chefe dos pervertidos
Baluarte dos tíbios
Condutor dos cismáticos
Autor de fábulas
Autores: Sacerdotes Conservadores da Espanha | josephmaryam.wordpress.com
Tradução: Blog Mãe da Salvação | 26 de novembro de 2016
“Como gostaria que as comunidades paroquiais em oração, no ingresso de um pobre na igreja, se ajoelhassem em veneração do mesmo modo como quando entra o Senhor!” (Bergoglio, 28 de abril de 2015, aos hóspedes dos centros de Cáritas de Roma)[1]
Ajoelhassem... do mesmo modo quando entra o Senhor: quando Jesus entra na Eucaristia, todos se põem de joelhos para adorá-Lo. E se faz isto porque Jesus é Deus. E só a Deus tem que dar o culto de latria, adoração.
Ensinar que quando um pobre, um homem, entra na Igreja, todos tem que fazer o mesmo que se faz quando entra Jesus na Eucaristia, é ensinar a idolatria, pecado gravíssimo que não admite parvoíce de matéria.
É preciso sofrer a morte antes que adorar um pobre ou um homem na Igreja.
Não se pode obedecer o desejo da mente de Bergoglio sem cair na desgraça do pecado mortal.
É uma grande injúria contra Deus, não só adorar um homem, mas ensinar a dar culto ao homem, como se fosse um deus, e fazê-lo a partir da Cátedra de Pedro.
Os homens já não sabem medir as palavras de Bergoglio. Continuamente, esse homem está blasfemando contra Deus, contra Cristo e contra a Igreja. E o seguem como se nada estivesse errado.
Acaso podem julgar as obras injustas de Bergoglio e não ser capazes de julgar a Bergoglio como falso papa?
Quem o tenha por seu papa não pode julgar as suas obras, seus pensamentos, suas homilias, suas charlas... Deve calar e obedecer a mente de Bergoglio.
Muitos católicos – e bons católicos – não tem aprendido a obedecer a Igreja! Por tanto, não sabem o que é um Papa na Igreja! Não sabem obedecer a um Papa verdadeiro! Não sabem opor-se a Bergoglio, a um falso papa!
As idéias de um Papa são as idéias da Mente de Cristo. E essas idéias não mudam de um Papa a outro. São sempre as mesmas, em todas as épocas, porque a doutrina de Cristo é eterna, não é temporal.
Não se obedecem, em um Papa, as idéias humanas, que todo homem tem, mas se obedece as idéias de Cristo, que o Papa ensina, oferece e interpreta com a ajuda do Espírito Santo.
Todos tem caído no mesmo jogo: obediência à mente humana de um Papa. Não tem sabido nunca obedecer a Igreja. Nem sequer a mesma Hierarquia sabe obedecer. Agora, é um mundo para todos desobedecer a um falso papa. Muitos estão perplexos.
Se obedece a Verdade. E a Verdade não é a posse da mente humana de nenhum homem, nem sequer do Papa. A Verdade é Cristo. Tem que deixar que atue a Pessoa de Cristo no homem sacerdote, ou no homem Bispo, para dar a Verdade à Igreja.
Todos dizem: sim, Bergoglio é um herege; mas materialmente é papa.
Grande absurdo! Grande injúria!
Porque se Bergoglio é um herege, então não é Papa, porque o herege não pertence à Igreja, nem material nem formalmente.
O pecado de heresia é uma obra que saca espiritualmente da Igreja de Cristo: não está unido a Cristo e Seu Corpo Místico. Se pode estar na Igreja de uma maneira exterior. Essa exterioridade não significa pertencer à Igreja visível. Um herege é como um muro, uma parede de ladrilhos: se vê o muro, mas lá não está a Igreja.
A Igreja visível não são as paróquias nem os homens que nossos olhos observam. A Igreja visível são as almas em graça unidas a Cristo, que trabalham em uma paróquia, em uma capela, em um lugar concreto.
A Igreja é Cristo e suas almas. Se desaparecem as estruturas exteriores, a Igreja permanece visível nas obras de suas almas.
Materialmente, as paróquias, os lugares de culto pertencem à Igreja. Os homens, em seus pecados de heresia, podem fazer obras materiais, mas eles não dão o Espírito da Graça nessas obras.
Um herege que celebra uma missa, materialmente tem uma obra em um lugar material. Mas não tem uma obra da Igreja. Não tem uma obra espiritual, regida pelo Espírito de Cristo. Sua missa não é uma missa. Seu sacerdócio não é sacerdócio de Cristo. Materialmente, se veste como sacerdote, mas não é sacerdote porque é um herege. Nem sequer quando celebra a missa, essa obra material, é materialmente feita pelo sacerdote.
Porque o sacerdócio é uma graça, algo espiritual, que se coloca no coração da alma, que é também algo espiritual. A heresia destrói a graça do sacerdócio: põe um obstáculo que impede que o sacerdote obre com o Espírito de Cristo. Materialmente, o sacerdote faz uma obra, mas não se produz – nele, em sua alma – a obra do Espírito de Cristo.
Pela heresia, sua alma não pode unir-se a Cristo para atuar como sacerdote, na Pessoa de Cristo. Possui o selo do Sacramento da Ordem, que o marca como sacerdote de Cristo, mas esse selo é de índole espiritual, não material. Não é um selo em seu corpo, mas em seu coração. Um selo indelével, que não se perde pela morte do corpo, nem pelo fogo do inferno.
Ser sacerdote não é fazer obras materiais na Igreja. É atuar na Pessoa de Cristo: é Cristo o que obra no homem sacerdote. E essa obra, um herege, nunca pode mostrá-la. Cristo não obra materialmente em um sacerdote herege. Cristo obra materialmente em um sacerdote pecador, que não tem caído no pecado de heresia. Cristo não se une à alma de uma sacerdote herege: não aparece a Pessoa de Cristo no homem sacerdote. O pecado de heresia impede que se manifeste, material e formalmente, a Pessoa de Cristo no homem sacerdote.
Assim, um homem – como Bergoglio – que se senta na Cátedra de Pedro e que, por sua heresia, não é Papa. Materialmente, está sentado no Trono de Pedro, mas espiritualmente, não tem o carisma de Pedro: nele não pode revelar-se, manifestar-se, ser o Vigário de Cristo na terra. Não possui, nem formal, nem materialmente, o Poder Divino. Não pode falar como Cristo, não pode comunicar a Mente de Cristo, não pode atuar como Cristo na Igreja. Atua em sua própria pessoa humana, porque não tem o carisma de Pedro. Não se pode chamar de Papa por mais que materialmente faça obras na Igreja. O ofício de Papa não é um assunto material na Igreja. Não é um nome que se leva na Igreja.
É algo divino: é Cristo quem guia Sua Igreja através de Seu Papa. É Cristo quem se manifesta a Sua Igreja através de Seu Papa. Aqueles que dizem que Bergoglio materialmente é Papa está injuriando a Cristo na Igreja. Cristo não pode guiar a Igreja através de uma Bispo herege. Não a guia materialmente nem formalmente.
Cristo segue guiando Sua Igreja no Papa Bento XVI: mas já não a guia formalmente, mas materialmente. Bento XVI já não governa formalmente a Igreja mas a Igreja é guiada por Cristo através de Bento XVI, materialmente. Bento XVI tem o Poder Divino, mas já não o pode usar: não serve o Poder Divino, não governa formalmente como Papa. Esse Poder Divino – que permanece na alma de Bento XVI – serve para por um dique material a toda a obra do Anticristo. Enquanto permaneça vivo o Papa Bento XVI, materialmente o Anticristo não pode revelar-se. Tem que ser removido o Poder Divino no Papa, não só formal, mas materialmente, para que começa tudo.
Tem removido formalmente o governo do Papa na Igreja, pondo um usurpador; mas permanece materialmente o Poder Divino no Papa Bento XVI. E permanece materialmente, porque permanece em um homem que todavia não tem morrido. O carisma permanece na alma de Bento XVI, mas materialmente. Bento XVI não pode usá-lo formalmente. Para usá-lo tem que enfrentar-se como o usurpador. Mas Cristo, que é a Cabeça visível da Igreja, o usa materialmente para freiar o Anticristo: mantém vivo o Papa verdadeiro.
Por isso, a vida de Bento XVI está em perigo. Tem que tirá-lo do caminho, o quanto antes. O demônio tem pressa para acabar a sua obra.
O carisma de ser Pedro é diferente de ser sacerdote. No sacerdócio, é Cristo quem obra no sacerdote, é a Pessoa do Verbo no sacerdote. Em Pedro, é Cristo quem guia a Igreja, quem obra na Igreja, quem ensina na Igreja, através de Seu Papa. É Cristo em Seu Poder Divino, é Cristo na Obra de Seu Espírito. Não é Cristo em Sua Pessoa Divina. Por isso, a Igreja é a Obra do Espírito de Cristo. O sacerdócio é a Obra de Cristo como Pessoa Divina.
O governo de um Papa, na Igreja, é a manifestação do Espírito em toda a Igreja. Na obediência ao Papa, o Espírito obra em todas as almas, para que a Igreja siga ensinando a Verdade, seja guia da Verdade e mostre ao mundo e aos homens o único caminho de salvação, que é Cristo.
O governo de um Papa não é impor seus desejos humanos aos homens. Isto é o que faz habitualmente Bergoglio: “Como gostaria que as comunidades paroquiais em oração, no ingresso de um pobre na igreja, se ajoelhassem em veneração do mesmo modo como quando entra o Senhor!”. Bergoglio só fica em suas ideias humanas, em seus caprichos, em seus erros, em suas heresias. E é o que dá a Igreja. Bergoglio só prega a si mesmo. Só o interessa seus pobres, sua cultura do encontro, seu diálogo, seu comunismo, suas ideias protestantes, monopolizando a glória dos homens e do mundo.
A Bergoglio, não lhe interessa nem Cristo nem a Igreja. E isso às apalpadelas, o vivem, todos os verdadeiros católicos. Há uma perseguição interna a todo o que cheira a catolicidade.
A obra de um Papa, na Igreja, é lutar contra o erro, a heresia; é excomungar os hereges; é definir novos dogmas. Porque o Poder Divino, na Igreja, se mostra em levar a toda a Igreja a plenitude da Verdade. Todo Papa mostra Seu Poder Divino ensinando a verdade, defendendo a verdade, guardando o tesouro da verdade, guiando a todos para a plena verdade.
Em um Papa, é Cristo o que obra no Seu Espírito. Por isso, o Senhor o mandou a Seus Apóstolos: “esperar a promessa do Pai”: “recebereis a virtude do Espírito Santo, que descerá sobre vós, e sereis minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judeia, na Samaria e até os confins da terra” (At 1, 8).
Pedro havia sido escolhido como Papa, mas não podia atuar como Papa, mas não podia atuar como Papa. Teria o Poder divino em sua alma, mas de maneira material. Era necessário que viesse o Espírito para que Pedro pudesse obrar formalmente como Papa: para poder governar a Igreja no Espírito, na obra do Espírito.
Um Papa governa sempre na Obra do Espírito, nunca fora Dele. Por isso, um Papa nunca pode equivocar-se, é infalível, porque é o Espírito quem o move em tudo para que a Igreja seja testemunho de Cristo, seja testemunho da verdade que Cristo tem ensinado a Seus Apóstolos. E o Espírito é que recorda a Verdade imutável, o que mostra, não só ao Papa, mas a toda a Igreja.
Por isso, a Obra do Espírito não se refere aos pensamentos humanos de um Papa. Nunca se obedece a mente humana de um Papa. Só se obedece a Mente de Cristo que o Papa oferece na Igreja.
É a Obediência a Verdade que muitos, fieis e Hierarquia, nunca tem compreendido. Nestes 50 anos, muitos tem caído na armadilha, que tem posto o demônio para desbaratar a obediência a um Papa. E agora não sabem desobedecer a um falso papa. Agora, custa-lhes esta parte. Por isso, muitos tem a Bergoglio como materialmente Papa. E não caem na conta de que Bergoglio não tem sido escolhido por Deus para que possua o Poder Divino. Deus nunca escolhe a um homem herege. São os homens os que põem seus hereges, não somente no sacerdócio, mas na Cátedra de Pedro.
Agora, quem tenha a Bergoglio como seu papa, necessariamente tem que dar obediência a mente desse homem. Porque Bergoglio não é capaz de dar a Mente de Cristo, a verdade, à Igreja.
Nos outros Papas, se podia discernir entre a mente humana do Papa e a Mente de Cristo no Papa. E se dava a obediência ao Papa porque se via claro a Mente de Cristo nele.
Mas, com Bergoglio, é impossível este discernimento: só se vê em a mente humana. Bergoglio só vive dentro de seu pensamento humano mas não é capaz de dar o Pensamento Divino na Igreja. Por isso, todo seu magistério não é papal. Em todo seu magistério não se reflete o magistério ordinário e extraordinário da Igreja. É o magistério próprio de um herege. E é a obra própria de um cismático. E é a vida própria de um apóstata da fé.
E isto é o que muitos estão apoiando, justificando, aplaudindo: a heresia, o cisma e a apostasia. E tem a Bergoglio como seu papa, material e formalmente.
É uma grande injúria contra Deus chamar a Bergoglio com o nome de Papa. Porque é cair no pecado de idolatria. Como Bergoglio não pode dar a Mente de Cristo, então se tem que obedecer, necessariamente, sua idéia humana na Igreja. E isto é dar culto a mente de um homem. Isto é buscar milhares de razões para justificar o pecado de Bergoglio, para manter no cargo a Begoglio. No final, sempre são os demais os que se tem equivocado porque não tem compreendido o que tem querido dizer Bergoglio. Bergoglio sempre será como o justo, como o santo. É a idolatria em que cai muitos ao tê-lo como seu papa.
Agora, tem que ensinar, na Igreja, a ajoelhar-se ante os pobres. É justo que se diga isso: estão obedecendo aos desejos de um homem. Se estão sujeitando a mente de um homem. E já nada é capaz de ver que Bergoglio não pode dar a Mente de Cristo. Todos tem sido obscurecidos, em suas mentes, para não ver a Verdade. E isso é uma Justiça Divina na Igreja. Preferis as palavras baratas e blasfemas de um homem que a Mente de Cristo. Então, fique com esse homem e levante sua falsa igreja, que os irá levar ao mais profundo do inferno.
Cristo segue guiando a toda a Igreja em Seu Papa Bento XVI. A guia materialmente, mantendo vivo o Seu Papa para que os verdadeiros católicos tenham tempo de ir para o deserto. É no deserto onde está toda a Igreja em Pedro, na oração, na penitência, na vida escondida. E ali tem que viver e ser alimentada durante um tempo. Não é em Roma nem na Hierarquia onde se vê a Igreja.
Já todos os Papas tem cumprido sua missão na Igreja. Uma vez que morra Bento XVI, terá um tempo de sede vacante, necessário para que apareça o falso profeta e o Anticristo e façam sua obra.
Mas, a Igreja segue sendo a Obra do Espírito. Não é a obra de nenhuma cabeça humana. Nada dita a fé na Igreja. A Hierarquia da Igreja não impõe o que tem que crer ou o que não tem que crer. A fé divina não é o ditado dos homens. É um dom divino do homem. E humildade, esse dom divino não pode funcionar em nenhum homem.
https://1.bp.blogspot.com/-smBa8DKrzvQ/WDmvwDU9gpI/AAAAAAAAAC0/LfTKicrdYbQ_2sWfDAthkvWxfuqxQVtSgCLcB/s640/Bergoglio%2B%252820%2529.jpg
Por isso, o que agora observamos em toda a Igreja são homens: com suas idéias, com seus planos, com suas obras, que é a manifestação do pecado de soberba, do pecado de orgulho, que se revela principalmente naqueles que governam a Igreja. Eles são os únicos que fazem o que querem na Igreja, situando-se acima de toda a lei divina, de todo o magistério da Igreja, removendo a seus caprichos o que não gostam ou vão contra o seus estilos de vida.
“Quando Pedro estava para entrar, Cornélio saiu a recebê-lo e prostrou-se aos seus pés para adorá-lo. Pedro, porém, o ergueu, dizendo: Levanta-te! Também eu sou um homem!” (At 10, 25-26).
Se não temos que ajoelhar na presença do Papa para venerá-lo, porque é um homem, menos ainda temos que ajoelhar diante de um pobre que. A adoração é devida somente a Deus. Às demais criaturas, nem pelo cargo que exercem, nem pela posição social que tem, nem por outra qualidade que o circunstancia, se lhes deve adoração, somente o respeito que toda pessoa humana merece.
Somente temos que ajoelhar-se diante de Cristo, na presença de Jesus na Eucaristia. E quem o faz já não pode fazê-lo diante de um homem. O único Homem diante do qual todo homem deve ajoelhar-se é Cristo. Porque a carne de Cristo está somente na Eucaristia, não nos pobres. E aquele que põe a carne de Cristo nos pobres, como faz Bergoglio, só está dizendo que não ama a Eucaristia porque não crê Nela. E não crê Nela porque, para ele, Jesus não é Deus, mas um homem qualquer.
“Ajoelhar-se em adoração diante do Senhor. Adorar o Deus de Jesus Cristo, que se fez pão repartido por amor, é o remédio mais válido e radical contra as idolatrias de ontem e de hoje. Ajoelhar-se diante da Eucaristia é profissão de liberdade: quem se inclina a Jesus não pode e não deve prostrar-se diante de nenhum poder terreno, mesmo que seja forte. Nós, cristãos, só nos ajoelhamos diante do Santíssimo Sacramento, porque nele sabemos e acreditamos que está presente o único Deus verdadeiro, que criou o mundo e o amou de tal modo que lhe deu o seu Filho único” (Homilia do Papa Bento XVI, na Solenidade do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo, 22 de maio de 2008)[2]
Bergoglio cai nesta idolatria porque não crê em Deus. É um ateu que não crê na existência de Deus, mas que tem inventado, com sua mente humana, sua concepção de Deus. Um deus não real, não verdadeiro. Um deus que é fruto de seu desvario como homem. Sua vida leva a esse conceito de deus. E vive para essa mentalidade própria de um homem que não tem sabido adorar a Deus em Espírito e em Verdade.
Aquele que ensina a adorar a um homem está dizendo que não adora a Deus, que não tem sabido nunca adorá-Lo. Bergoglio nunca se tem submetido a Deus. Anda sempre com a cabeça levantada na presença de Deus, como um orgulhoso. Nunca tem sabido prostrar-se, por a sua cabeça no solo. Não pode. Sua soberba o impede.
Bergoglio tem em vista um homem, mira a um pobre, e não sabe ver sua alma: não sabe buscar a Deus na alma desse pobre. Só está interessado na vida humana, na vida social, na vida carnal dos homens.
Quem não vê a alma, que é algo invisível para o homem, só está inclinado para os corpos dos homens, do seu exterior, de uma vida natural, mas não sabe tratar com as almas. Não sabe viver com elas. Não sabe ensiná-las o caminho do céu. Mas somente lhes dá uma doutrina demoníaca. E cai nesta abominação de ensinar a adorar os homens.
“Aparta-te, Satanás, porque está escrito: ‘Ao Senhor teu Deus adorarás e somente a Ele darás culto’” (Mt 4, 10).
Isto é o que tem que dizer a Bergoglio: Aparta-te, Satanás. Ensinas a adorar os homens. É um demônio encarnado. Ensinas o caminho do inferno a todas as almas. Somente a Deus se deve a adoração. É um preceito divino válido.
Bergoglio não entende de preceitos: não crê no direito natural, pela qual a Deus é devido o culto, interno, externo, individual, social, sendo Deus o princípio e o fim de todas as coisas.
Para Bergoglio, o princípio de todas as coisas é sua mente humana: com ela se inventa o seu deus, seu cristo, sua igreja, sua religião, sua vida. E sua mente é o início de uma vida de blasfêmia, e o fim de sua vida é o que encontra em sua mente. Bergoglio vive para o que estamos presenciando na Igreja: para a sua idéia maçônica da fraternidade, para sua idéia protestante de uma igreja cheia de pecadores, e para sua idéia comunista de um governo global, e que pode culminar no seu grande desejo em vida.
Bergoglio não crê no direito divino, pela qual Deus tem dado ao homem mandamentos que devem cumprir para que ame a Deus.
Só crê em sua soberba, só obra com o seu orgulho e só ama em sua luxúria de vida.
Pobre aquele que tenha a Bergoglio como seu papa! Idolatria, não só no homem, mas a todo homem! E se dedica a por em prática o seu desejo na Igreja:
https://3.bp.blogspot.com/-tH8b-eVh0Sg/WDmvlRaObSI/AAAAAAAAACw/ucf6mMLZMbg873TFm6xeaZ_cYC_7FiZpwCLcB/s640/Bergoglio%2B%252822%2529.jpg

Referências:
[1] http://www.news.va/pt/news/papa-como-gostaria-que-as-comunidades-em-oracao-se
[2] https://w2.vatican.va/content/benedict-xvi/pt/homilies/2008/documents/hf_ben-xvi_hom_20080522_corpus-domini.html
Fonte>http://maedasalvacao.blogspot.com.br/2016/11/bergoglio-nao-e-materialmente-papa.html

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Uma guerra civil está em curso na Igreja Católica


Por Marco Politi, Il Fatto Quotidiano, 21 de novembro de 2016 | Tradução: FratresInUnum.com: Papa Francisco fechou a Porta Santa, mas a sua mensagem é acompanhada pelo ruído de uma crise subterrânea. Uma guerra civil está em curso na Igreja. Um confronto que toca a autoridade do pontífice e seu programa de reformas. Estão em jogo visões opostas sobre o papel da Igreja, o “pecado”, a salvação das almas. E como em todas as guerras civis, o conflito não contempla concessões.
papa_porta-della-misericordia_675
 
Quatro cardeais escolheram estes dias para colocar diretamente sob acusação  a teologia de Francisco e seu documento pós-sinodal Amoris Laetitia (que abre o caminho para a comunhão de divorciados novamente casados). Os cardeais atribuem a Bergoglio ter semeado entre os fiéis “a incerteza, confusão e perplexidade” e pedem para que ele “lance luz” sobre o documento. Na carta, no estilo de disputas teológicas, são anexadas os chamados Dubia: “Perguntas sobre questões controversas”.
Com um gesto que tem o sabor de um desafio, a carta foi enviada “para informação” também ao responsável oficial da ortodoxia, o cardeal Gerhard Müller, Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé.
Trata-se de um acontecimento absolutamente sem precedentes na história moderna do papado. E a primeira coisa que chama a atenção é o silêncio constrangedor da hierarquia eclesiástica. Nem um cardeal se contrapôs publicamente à sua tese, nem um presidente de Conferência Episcopal, ou um dirigente de uma grande Associação Católica [ndt: posteriormente à divulgação deste artigo, o presidente da Conferência Episcopal da Grécia atacou duramente os cardeais]. E de pensar que, encarando o papel da consciência do qual fala Francisco, os quatro cardeais afirmam que em tal caso, arrisca-se a chegar ao ponto em que se tornam concebíveis “casos de adultério virtuosos, homicídio legal e perjúrio obrigatório”.
Dois dos cardeais são membros da Cúria: o alemão Walter Brandmüller, ex-presidente do Pontifício Comitê de Ciências Históricas, e o norte-americano Raymond Burke, ex-presidente do Tribunal da Assinatura Apostólica. E dois são arcebispos eméritos de dioceses importantes: Carlo Caffara, um dos prediletos de  João Paulo II e Bento XVI, e até 2015 pastor de Bolonha, e Joachim Meisner, um íntimo do Papa Ratzinger, que até 2014 dirigiu a diocese de Colônia.
Liquidar a carta – a qual Francisco respondeu indiretamente em uma entrevista ao Avvenire, denunciando um “certo legalismo que pode ser ideológico – como sendo o lamento de quatro ultra-conservadores é não compreender o confronto subterrâneo que tem se desenvolvido na Igreja Católica nos últimos dois anos. Os quatro são apenas a ponta do iceberg, que está se alargando e se espalhando. Eles também falam por muitos que não se expõem.
Durante anos, os meios de comunicação não entenderam a profundidade do movimento anti-Obama, que provocou em 8 de novembro passado a derrota de sua política. Agora, arriscam repetir o mesmo erro com Francisco. Deslumbrados com o seu carisma e o consenso planetário que goza até mesmo entre os agnósticos e não-crentes, muitos ignoram a escalada sistemática daqueles entre o clero, os bispos, o colégio de cardeais que contestam a teologia da misericórdia do pontífice.
Entre os dois Sínodos houve uma mudança de acento fundamental. Enquanto nas últimas décadas, entre o confronto entre reformistas e conservadores, o pontífice permanecia como “árbitro” para a maioria da hierarquia da Igreja, hoje, ao invés, o Papa tornou-se a parte em causa. Basta ler a última entrevista do Cardeal Burke. A Amoris Laetitia diz ele, “não é o Magistério, pois contém graves ambiguidades que confundem os fiéis e pode induzi-los ao erro e pecado grave. Um documento que apresenta esses defeitos não pode ser ensinamento perene da Igreja“.
Em dois anos, tem havido um crescimento de ações dissidentes. Antes do Sínodo de 2014, cinco cardeais escreveram um livro em defesa da doutrina tradicional sobre o matrimônio. Em seguida, intervieram com outro livro 11 cardeais de todo o mundo, incluindo personalidades importantes, reconhecidas entre o clero e episcopado. Enquanto isso, cerca de 800 mil católicos, incluindo 100 bispos, assinaram uma petição ao Papa pedindo um bloqueio das inovações. No Sínodo de 2015, 13 cardeais escreveram a Bergoglio questionando a direção que estava tomando a assembleia.
Um movimento sistemático de contestação em que o reformador fez frente apenas timidamente. E, de fato – embora muitos desejam esquecer – na votação no Sínodo de 2015 sobre a Família, foram rejeitadas as teses de uma via penitencial que reconhecesse abertamente a possibilidade de comunhão para divorciados novamente casados. A maioria tradicional deste parlamento mundial de bispos disse “não”. Nesse meio tempo surgiu uma rede de cardeais, bispos, sacerdotes, teólogos e leigos empenhados, signatários de uma “declaração de fidelidade ao ensinamento perene da Igreja sobre o casamento.” Posteriormente, 45 teólogos escreveram (anonimamente) ao Colégio dos Cardeais, sugerindo que certas interpretações da Amoris Laetitia poderiam ser “heréticas”.
O movimento anti-Bergoglio trabalha sobre o tempo. Nos Estados Unidos, a escalada silenciosa subestimada contra Obama levou à derrota dos democratas. Na Igreja Católica, o que está em jogo é o futuro conclave. Hoje, o historiador da Igreja Alberto Melloni  fala de “isolamento” do pontífice. E Andrea Riccardi, outro historiador, diz que nunca no século XX um pontífice encontrou tanta oposição entre os bispos e o clero.
Na guerra civil em curso na Igreja, o objetivo é o pós-Francisco: não deverá subir ao trono papal um homem que leve a cabo o desenvolvimento das reformas iniciadas.(Fim)
++++++++++++++
OBS > Neste artigo se pode ver claramente que a tempestade na Igreja, iniciada com aquele primeiro raio que se abateu sobre o Vaticano e continuada pelo segundo que se abateu sobre a Cúpula de São Pedro dias atrás, já não pode somente ser interpretado como uma faísca, porque o tremor do embate já se fez troar e rugir por toda a "bota" italiana, que treme sem cessar. Já começa a se ouvir também o ronco dos trovões, sinal de que se alastra o cisma na Igreja e isso é prenúncio da última e terrível tempestade.
 
O levantar as vozes, de forma uníssina, por tão eminentes príncipes da Igreja, vozes que não falam apenas por si mesmas, mas porque têm ouvidos que ouvem, têm olhos que vêm, têm sabedoria que discerne e têm coragem de se expor, e por isso percebem o clamor crescente dentro do mundo católico, nos alegra grandemente, porque daqui, da insignificante miséria da nossa pena, já desde antes do último conclave, nosso grito de alerta ressoava. E isso me faz entender o motivo pelo qual o Céu tem nos preservado, porque se o Livro Ecos do Apocalipse tivesse vindo a tona, já nos primeiros acordes deste antipontificado, certamente eu já não estaria mais vivo, porque o que de fato acontece por trás dos bastidores da Igreja é algo assombroso, assustador, terrivel e que terá gravíssimas consequências. 
 
E certamente o mais terrível de tudo é o fato de como a mídia diabólica blinda este personagem, de como o constrói de forma santa e heróica, de modo a enganar com tão descarada destaçatez à imensa maioria do clero católico, nem falo do rebanho ignaro, que foi muito bem preparado pelo inimigo - depois do Concílio Vaticano II - para ser digno do anticristo. Terrível é ver um clero, parte maior seguindo os descalabros que partem do Vaticano à pretexto de uma "reforma", eivada de vícios, erros, heresias e mesmo aberrações, como o fato de permitir a comunhão a adúlteros, equiparar a Santa Missa com a ceia de Lutero e tentar unir todos os credos, religões e seitas num único e sacrílego saco de abominações.
 
Como bem apresenta e se refere o artigo acima, somam-se aos poucos os defensores da verdadeira Igreja da Tradição, e com isso se cumpre as profecias atuais corroborando as antigas. De fato, as profecias atuais dão conta de que 2/3 dos católicos continuarão cegos na obstinada aceitação do seu "santo padre", enquanto 1/3 deles acabarão por se revoltar contra os desmandos do dito cujo e se manterão fiéis a Bento XVI e João Paulo II. Mas que sirva de alerta aos primeiros o que previu Zacarias quando alerta que exatamente 2/3 serão exterminados enquanto 1/3 passará pelo fogo da purificação, para serem dignos da Nova Terra, que virá depois da fragorosa derrota do império do maldito, cujos tentáculos não somente alcançam os governos da terra, como controlam o próprio Vaticano, que atua sob as ordens daqueles. Isso está claro em Apocalipse 13, que se cumpre com matemática precisão!
 
Sobrarão poucos? Certamente! E se o mundo católico não cair de joelhos diante de Jesus, se não escutar o brado de Jonas que pede a conversão da humanidade e volta imediata, humilde, arrependida e sem exigências aos pés do Criador, certamente que a Nínive atual terá a mesma sorte que tiverem Sodoma e Gomorra, Adamá e Zeboin - porque já as ultrapassamos em pecados e desafios contra Deus - restando quem sabe uma pequena Segor (Gênesis 19), que foi poupada em atenção ao pedido de Abraão, para preservar Lot e sua família. Mas neste caso, o que pode se cumprir é o Oráculo de Zacarias, que nos avisa: se restar 1/10  da população será muito.
 
Porque dos altos Céus a Santa e Justa Ira do Pai se inflama contra o que está acontecendo na Santa Igreja. Felizes os que estão vendo isso, ai dos que continuam apegados aos seu falso mestre, ou que não se importam com o que está acontecendo. Com certeza plena, tendo em vista a rapidez com que o cisma se espalha, tudo o que podemos prever é que a besta terá que alargar os passos, antes de perder o controle que já assumiu no Vaticano. Tudo é muito próximo. Com isso, na pressa, acabará por entrar em parafuso, destruindo-se a si mesma, até porque a Escritura é claríssima: o sopro do Espírito Santo destruirá esta falsa igreja, até porque Deus Onipotente não suja as Suas Mãos Santas, para bater em hereges, obstinados no mal e desafiadores como os que na Igreja Santa se infiltraram e agora a comandam com novas doutrinas mundanas.
 
Aguardem, a tempestade se irá ampliar! Os horizontes aos poucos irão turvar-se e núvens de tempestade anunciarão a última tormenta. Será que, então, irão acordar os 2/3 seguidores da besta? Rezemos para se amplie o número daqueles que seguirão os passos dos 4 valentes cardeais que tiveram a coragem de se expor em desafio ao colegiado. E como a Mãezinha tem dito em diversas mensagens recentes, está chegando o momento de enfrentar a besta e defender a verdadeira Igreja, a verdadeira Sã doutrina, o verdadeiro Papa e o Verdadeiro Jesus, porque este ser pintalgado que eles usam o nome para iludir o povo é um engano fatal. Teremos coragem? (Aarão)